Cidade da Virgínia desfila em homenagem à Otan

Com bandas tocando e espectadores vibrando, o Desfile de Nações da Otan marcha a cada primavera pelas ruas não de Bruxelas — sede da Otan — mas de Norfolk, na Virgínia, cidade naval histórica que se orgulha por seu papel de manter forte a aliança transatlântica.

Militares marcham em desfile e carregam bandeiras (Marinha dos EUA/Abraham Essenmacher)
Militares de mais de duas dezenas de países da Otan carregam as bandeiras de seus países em um desfile em Norfolk, na Virgínia (Marinha dos EUA/Abraham Essenmacher)

A princípio, a Otan estabeleceu um centro de comando estratégico em Norfolk, que abriga a maior base naval do mundo, em 1953. Em uma cerimônia de hasteamento de bandeira em 28 de abril, o general da Força Aérea francesa Denis Mercier, comandante do Comando Supremo Aliado de Transformação, afirmou que a Otan “provou ser o alicerce da segurança, tanto para a Europa como para os Estados Unidos”.

Cidadãos locais, empresas e o braço do desenvolvimento econômico da Virgínia gastam cerca de US$ 250 mil anualmente no festival e em outras atividades celebrando a Otan e o que a aliança fez por quase sete décadas para tornar o mundo um local mais seguro.

Militares marcham e prestam continência (Depto. de Estado/D.A. Peterson)
Militares italianos prestam continência durante desfile em Norfolk, na Virgínia (Depto. de Estado/D.A. Peterson)

Originalmente focado em segurança marítima no Atlântico, o centro de comando em Norfolk viu sua missão mudar após os ataques terroristas de 11 de Setembro nos Estados Unidos. O Comando Supremo Aliado de Transformação, como é chamado, ficou encarregado de repensar a estrutura estratégica da Otan, testando conceitos e conduzindo treinamentos. É um dos únicos dois centros estratégicos da Otan. O centro de Operações do Comando Aliado em Mons, na Bélgica, planeja e executa todas as operações militares.

Militares de quase todas as nações da Otan integram seu corpo de funcionários. No segundo trimestre de cada ano, muitos passam fins de semana preparando carros alegóricos coloridos que mostram a história e a cultura de suas pátrias, como as réplicas da Torre Eiffel, um castelo e um barco viking.

“É o único festival do gênero no mundo”, afirmou Jeff Maisey, que publica uma revista de arte, culinária e cultura e preside o conselho de voluntários do festival. “Não há outro evento cuja missão seja destacar e celebrar a aliança transatlântica.”

Alex Pincus, procurador da cidade e organizador do festival, disse que a celebração atrai famílias locais como a dele com ascendência europeia. Sua mãe é da Noruega.

Pessoas em carro alegórico na forma de barco (Marinha dos EUA/Abraham Essenmacher)
O barco viking Filhos da Noruega no desfile da Otan a cada ano é construído por um grupo norueguês-americano local juntamente com famílias da Otan (Marinha dos EUA/Abraham Essenmacher)

O festival “é um trabalho feito com amor”, disse Pincus. “É importante para os americanos saberem que esses países na Otan têm o apoio dos Estados Unidos, assim como nós… temos o deles.”

General Mercier partilha desse sentimento.

“Em um mundo cada vez mais perigoso e imprevisível, ter amigos e aliados é crucial”, declarou Mercier.