A estudante Isabela Toccheton participou do programa EducationUSA Academy na Universidade de Syracuse (Foto: cortesia)

A estudante brasileira Isabela Toccheton afirma que as quatro semanas que passou na Universidade de Syracuse em Nova York elevaram suas habilidades em inglês “para um outro nível”.

Assim como Isabela, estudantes do ensino médio de todo o mundo agora podem vivenciar a vida universitária dos EUA através da EducationUSA Academy* (Academia EducationUSA, em tradução livre), parceria entre instituições acadêmicas, uma organização sem fins lucrativos e o Departamento de Estado dos EUA.

A academia ajuda os estudantes que esperam fazer faculdade nos EUA a aumentar as competências na língua inglesa, mostra a eles as diferentes faculdades e universidades americanas e os expõe a novas experiências culturais.

Em 2015, os primeiros grupos de estudantes participaram dos programas de verão da academia na Universidade de Syracuse e na Universidade do Colorado, em Boulder.

A participante equatoriana Cinthya Alvarado (à direita) gosta da maneira que os professores americanos ensinam. “Eles são abertos. Tentam ensinar além do esperado”, disse ela. (Foto: cortesia)

“Não posso afirmar o suficiente os aspectos positivos do programa”, diz Patricia Juza, diretora do Centro de Inglês Internacional na Universidade do Colorado. “Esses estudantes eram extremamente motivados e inteligentes. Eles aproveitaram muitíssimo o tempo que passaram aqui.”

Danae Hernández Ortiz, do México, participou do programa em Colorado e  o descreveu como “uma oportunidade incrível. (…) Ele ajuda o aluno a se tornar mais autoconfiante e a entender o que quer fazer”. Danae valorizou especialmente o fato de conhecer pessoas do mundo todo.

Danae Ortiz, segunda da frente, mantém contato com os amigos que fez no Colorado (Foto: cortesia)

Mario Carrillo, que também participou do programa no Colorado, acrescentou: “Esta experiência me ajudou a conhecer e entender mais sobre a cultura dos EUA  — como é o estilo de vida, como funciona uma universidade americana e como se inscrever.”

Segurança em primeiro lugar

As faculdades têm políticas rigorosas para garantir a segurança e o bem-estar dos estudantes. Os estudantes da academia recebem orientação de acompanhantes que passaram por um cuidadoso processo de verificação, todos com idade superior a 21 anos, que acompanham de perto o paradeiro dos alunos. Os estudantes da academia ficam em um dormitório separado dos estudantes em idade universitária.

O que acontece na academia

A experiência acadêmica é a peça central. Os estudantes descobrem que os professores universitários americanos se engajam ativamente com os alunos nas discussões em sala de aula e estão disponíveis para responder perguntas durante as horas de atendimento.

“A melhor parte do programa é perceber como meu inglês melhorou em apenas poucas semanas”, afirmou Mario Carrillo (Foto: cortesia)

Após essa experiência acadêmica, Carrillo afirma que os Estados Unidos estão entre os melhores lugares para estudar “porque as universidades têm todo tipo de ferramenta de que os estudantes precisam” para ajudá-los a aprender.

O currículo não inclui somente cursos de inglês e preparatórios para admissão na universidade. Os estudantes universitários exploram interesses em Ciência, Artes Dramáticas ou quaisquer das inúmeras matérias e atividades ensinadas nas universidades americanas. Visitas a outras universidades proporcionam a eles um senso das diversas oportunidades disponíveis.

Mas grande parte do aprendizado acontece fora da sala de aula. Dentre os passatempos divertidos a praticar com colegas americanos estão futebol americano, vôlei, entre outros. Os parceiros de conversação americanos da mesma idade ajudam a aprimorar as habilidades de inglês dos participantes, e as visitas a famílias locais os ajudam a entender melhor a cultura americana.

Quem pode participar?

Estudantes de 15 a 17 anos de idade devem estar matriculados ou ter se formado recentemente no ensino médio; ser falante de inglês não nativo e de nível intermediário; e não residir nos Estados Unidos. Eles devem poder arcar com as despesas de matrícula e transporte aéreo.

As vagas são limitadas, dependendo da universidade, mas após o sucesso do ano passado em Syracuse e Colorado, outras oito instituições* estão participando. Agora é hora de se inscrever!

* site em inglês