Vista aérea de mausoléu na região histórica do Cairo (Depto. de Estado/Centro do Patrimônio Cultural do Bureau de Assuntos Educacionais e Culturais)
O Mausoléu do Imã Muhammad al-Shafi'i, do século 13, na região histórica do Cairo, está entre os sítios culturais importantes que os EUA estão ajudando a preservar (Depto. de Estado/Centro do Patrimônio Cultural do Bureau de Assuntos Educacionais e Culturais)

Terroristas, potências conquistadoras e desastres naturais podem destruir sítios culturais pertencentes a minorias religiosas e étnicas, mas os esforços apoiados pelos EUA estão garantindo que os tesouros danificados sejam reparados e preservados para as gerações futuras.

Arcadas de ruínas antigas (© Hemn Baban/Anadolu Agency/Getty Images)
Escombros das estruturas históricas que os terroristas do Estado Islâmico destruíram em Nimrud no Iraque, em imagem de 2017 (© Hemn Baban/Anadolu Agency/Getty Images)

“Valorizamos as contribuições de outras culturas e outras civilizações para a história mundial”, diz Knox Thames, assessor especial do Departamento de Estado para as Minorias Religiosas. “Também sabemos que os americanos, como nação composta de nações em que a ascendência de todas as pessoas advém de outros lugares, também têm conexões com esses lugares”.

O Instituto Smithsoniano, com o apoio do Departamento de Estado, está trabalhando com o Conselho Estadual de Antiguidades e Patrimônio do Iraque para restaurar danos causados ​​por terroristas do Estado Islâmico em Nimrud, capital do Império neoassírio no século IX a.E.C.


A utilização do Fundo dos Embaixadores para a Preservação Cultural*, concedido pelo governo dos EUA, é uma das maneiras das quais os EUA ajudam a restaurar e preservar locais de importância cultural, étnica e histórica.

Aqui estão alguns sítios culturais que os EUA estão ajudando a preservar:

Egito

Pessoas em andaime trabalhando no exterior de estrutura antiga (Depto. de Estado/Centro do Patrimônio Cultural do Bureau de Assuntos Educacionais e Culturais)
Funcionários fazem a restauração do Mausoléu do Imã Muhammad al-Shafi’i no Cairo, uma estrutura batizada com o nome de um teólogo muçulmano (Depto. de Estado/Centro do Patrimônio Cultural do Bureau de Assuntos Educacionais e Culturais)

Localizado na “Cidade dos Mortos” do Cairo, o Mausoléu do Imã Muhammad al-Shafi, que data do século 13, é o local de sepultamento e o santuário do imã al-Shafi, uma das principais figuras do islamismo sunita e fundador de um dos seus principais ritos. Esse projeto envolve a documentação e a conservação das paredes externas e da cúpula do santuário.

Síria

Ruínas antigas de uma cidade (© Omar Sanadiki/Reuters)
Vista da cidade histórica de Palmira em 2017 (© Omar Sanadiki/Reuters)

As ruínas restauradas do antigo sítio de Palmira na Síria eram um ponto de orgulho local e nacional antes de sua destruição parcial pelo Estado Islâmico em outubro de 2015. No ano seguinte, o Congresso dos EUA promulgou restrições emergenciais de importação de objetos culturais da Síria visando proteger os sítios de patrimônio cultural do país, evitando saques e impedindo o tráfico de antiguidades culturais por redes terroristas.

Sri Lanka

Ruínas arqueológicas (Depto. de Estado/Centro do Patrimônio Cultural do Bureau de Assuntos Educacionais e Culturais)
Um antigo mosteiro budista está entre os monumentos antigos sendo preservados dentro da Reserva Arqueológica de Rajagala, no Leste do Sri Lanka (Depto. de Estado/Centro do Patrimônio Cultural do Bureau de Assuntos Educacionais e Culturais)

A Reserva Arqueológica de Rajagala, no distrito de Ampara, no Leste do Sri Lanka, inclui ruínas de vários edifícios antigos e monumentos que fizeram parte de Grikumbhila, um grande mosteiro budista que permaneceu ativo desde sua fundação no século II a.E.C. até o início do século 13. Esse projeto dá continuidade ao trabalho iniciado com base em uma subvenção de conservação do Fundo dos Embaixadores, concedida anteriormente.

“Nós nos importamos com esses sítios de grandes tradições culturais porque eles fazem parte da história mundial e muitas vezes da história dos americanos”, disse Thames, que moderou um painel sobre preservação do patrimônio cultural religioso durante a Reunião Ministerial para o Avanço da Liberdade Religiosa de julho de 2018.

Este artigo foi escrito pela redatora freelance Lenore T. Adkins.

* site em inglês