Mulher e Jalal Kimia tocando dafs (Cortesia: Jalal Kimia)
Dois membros do Rumi Daf Ensemble, com Jalal Kimia à direita, se apresentam para o Nowruz em 2021 com uma tradicional haft-sin (mesa persa de Ano Novo) (Cortesia: Jalal Kimia)

Nowruz — o Ano Novo persa — será celebrado por milhões de americanos em 20 de março, dia de renovação, à medida que a primavera se aproxima. E nos EUA, o Nowruz “não é completo sem música”, diz Jalal Kimia, percussionista nascido no Irã e baseado em Washington.

Originário da antiga Pérsia (agora Irã), o Nowruz também tem sido celebrado em Ásia Central, Ásia Ocidental, Ásia Meridional, Cáucaso, Balcãs e Bacia do Mar Negro há mais de 3 mil anos. O feriado, cujo nome significa “novo dia” em persa, coincide com o equinócio de primavera, quando o Sol se move através do Equador terrestre, dividindo uniformemente as horas diurnas e noturnas.

Tocando daf, pandeiro usado nos gêneros musicais popular e clássico, Kimia já se apresentou com grupos iranianos tradicionais e folclóricos em inúmeros eventos do Nowruz. Ele também leciona e oferece sessões de daf/tambor em que os participantes se sentam em formato de círculo.

Hoje, Kimia toca no Rumi Daf Ensemble* (Conjunto de Daf Rume, em tradução livre), que se dedica aos ritmos e batidas dinâmicas de sua pátria ancestral. “A música é minha ferramenta para apresentar nossa cultura ao mundo”, diz ele.

“Cada região do Irã tem seu próprio estilo musical único”, diz Kimia. As províncias de Coração, Curdistão, Gilan e Lorestan têm ritmos de música dedicados ao Nowruz e suas próprias músicas e movimentos de dança acelerados. O noroeste do Irã, com sua considerável população curda, tem um ritmo chamado sakkizi e sua própria dança específica.

“Gostaria de apresentar meu instrumento e minha cultura, não apenas para promovê-la, mas para usá-la como uma ponte entre as pessoas”, diz Kimia sobre suas próximas apresentações no Nowruz.

Música animada para o Nowruz

“Iranianos de todo o mundo adoram música”, diz Lily Afshar, guitarrista clássica nascida no Irã e professora de violão da Universidade de Memphis, que também planeja se apresentar em um show do Nowruz. Formada pela Universidade Estadual da Flórida, Lily é a primeira mulher no mundo a obter um doutorado em Violão Clássico. Ela detém inúmeras honras internacionais e ministrou disciplinas de mestrado e realizou concertos em todo o mundo.

Lily Afshar em hijab tocando violão (Cortesia: Lily Afshar)
Lily Afshar se apresentando (Cortesia: Lily Afshar)

Para muitos iranianos, a formação musical começa cedo, segundo Lily, com as famílias enviando seus filhos para estudar violão, piano ou tar (alaúde de pescoço comprido). De acordo com suas fortes tradições musicais, os iranianos invariavelmente celebram o Nowruz com música e dança, disse ela.

Lily diz que a música do Nowruz é uma música alegre e comemorativa. Ela gosta de música de sua infância, que lembra os dias que passou no Irã com sua família. “Para mim, tocar minhas baladas persas me aproxima dessas memórias”, diz ela.

Quando ela começou sua carreira de concerto, Lily tocava principalmente música espanhola. Mas cerca de 20 anos atrás, ela começou a adicionar baladas persas que havia feito arranjos para o violão. Essas baladas, segundo ela, “são lindas e trazem frescor” ao seu repertório e são muito queridas pelo público.

Lily está planejando algo diferente para um show do Nowruz em 26 de março no Centro Segerstrom para as Artes* em Costa Mesa, Califórnia. O show contará com vários artistas nascidos no Irã, incluindo Lily, juntamente com a orquestra sinfônica Pacific Symphony. “Este será o primeiro concerto do Nowruz em que me apresento como solista com a orquestra sinfônica”, diz Lily. Ela fará um concerto de Vivaldi “por seu caráter leve e primaveril”, diz ela. “Quero que todos na plateia se apaixonem pela beleza e magia do violão e sintam a alegria e o calor do concerto de Vivaldi.”