John J. Sullivan (à direita) conversando com Craig Faller (Jose Ruiz/Escritório de Assuntos Públicos do Comando Sul dos EUA)
John J. Sullivan, subsecretário de Estado dos EUA, é recebido pelo almirante da Marinha Craig Faller, comandante do Comando Sul dos EUA (Jose Ruiz/Escritório de Assuntos Públicos do Comando Sul dos EUA)

Os Estados Unidos e seus vizinhos do Caribe estão ligados não apenas pela geografia, mas também “por uma história compartilhada, interesses comuns e laços sociais profundos”, disse John J. Sullivan, subsecretário de Estado dos EUA.

Em Miami, durante discurso realizado em 12 de abril na Reunião Ministerial da Parceria de Resiliência entre EUA e Caribe, Sullivan recebeu* representantes de 18 nações caribenhas, organizações de resposta a desastres e várias agências do governo dos EUA.

A reunião de Miami foi convocada para especialistas regionais compartilharem suas perspectivas sobre a gestão de desastres em antecipação à temporada de furacões do Atlântico de 2019 (que se estende de junho a novembro). Sullivan enfatizou que o compromisso dos EUA vai além de responder a desastres naturais. Juntos, os aliados dos EUA e do Caribe “desenvolverão nossa resiliência e, em última análise, salvarão vidas e meios de subsistência”, disse ele.

Uma colaboração contínua relativa a resposta a desastres e resiliência depende do fortalecimento de elementos como prosperidade regional, segurança, assistência médica, educação e infraestrutura energética, disse Sullivan. Em todas essas dimensões, os EUA estão comprometidos com uma ampla cooperação de longo prazo com as nações do Caribe.

Recordando a devastação dos furacões Harvey, Irma e Maria, que atingiram várias comunidades costeiras dos EUA em 2017, Sullivan observou que os furacões não conhecem fronteiras. Os Estados Unidos, disse ele, devem responder a seus próprios desastres naturais — e administrar esforços de recuperação — enquanto ajudam seus vizinhos a se prepararem efetivamente para futuras tempestades.

Relações civis e militares mais estreitas, forjadas durante o exercício anual Tradewinds, impulsionarão a preparação regional, disse Sullivan.

Tradewinds é um exercício de treinamento focado no Caribe, projetado para melhorar as respostas a desastres naturais e ameaças terrestres e marítimas. Envolve o efetivo das Forças Armadas e de segurança dos EUA que trabalham com homólogos de mais de 20 nações parceiras.

Se ocorrer um desastre, os EUA vão cooperar estreitamente com seus vizinhos em aviação civil e recuperação, disse Sullivan. Ele também se comprometeu a construir parcerias mais próximas que foquem em previsão do tempo, mapeamento de tempestades, planejamento de resiliência energética e programas populares de base.

A tarefa de hoje é reforçar os esforços existentes e explorar novos caminhos visando a colaboração, disse Sullivan. A parceria entre os EUA e o Caribe, ressaltou, é duradoura.

* site em inglês