Uma animadora de torcida da Escola de Ensino Médio John Adams toca flauta durante o desfile de volta às aulas casa de 2011 (Cortesia: South Bend Tribune/Greg Swiercz)

Este é o primeiro de dois artigos sobre o papel das atividades de escolas de ensino médio em comunidades nos Estados Unidos. O próximo será sobre futebol americano.

Se você alguma vez se encontrar em um final de tarde de outono de sexta-feira na arborizada Avenida Sunnyside em South Bend, Indiana, uma hora antes do pôr do sol, bem, o seu timing será perfeito. Fique de pé na calçada e escute. Logo uma batida distante e profunda de tambor confirmará que é a temporada de futebol americano do ensino médio e que a banda marcial está a caminho.

Dentro de instantes, todo mundo da vizinhança saberá. Crianças irrompem das portas de suas casas deixando a mesa antes do fim do jantar. Cachorros enormes de propriedade das famílias, com coleiras, puxam seus donos, e os vizinhos mais antigos saem para ver a banda na qual seus filhos tocaram há muitos anos. Praticamente todas as casas da Sunnyside se alvoroçam à medida que uma melodia estridente se aproxima, cresce em intensidade e enche o ar acima da batida da percussão.

A menos de 2 km, a banda começou sua marcha ritual a partir da Escola de Ensino Médio John Adams, descendo pelo meio das ruas da vizinhança até o campo de jogos que nós cidadãos práticos do Meio Oeste há muito tempo chamamos de “campo da escola”. Durante todo o percurso, as crianças garantem bons lugares na beira da calçada.

Menina sobre os ombros de um homem (Cortesia: South Bend Tribune)
Adam Riggs desfruta de um momento empolgante com a filha Mackenzie, de 3 anos (Cortesia: South Bend Tribune)

Os metais em harmonia e a percussão em forte uníssono crescem em volume de som e vão ficando cada vez mais altos. Antes das batatas esfriarem nos pratos de jantar, as primeiras fileiras de músicos dobram a esquina da Sunnyside. Os adultos interrompem suas conversas, e as crianças por menor que sejam observam tudo dos braços do pai ou da mãe com entusiasmo.

Em seus uniformes, os integrantes da banda marcham em nossa direção enquanto tocam. Usam sapatos escuros e formais, calças azul-marinho elegantemente talhadas, jaquetas em vermelho-sangue com dragonas azul-escuras e uma faixa azul-marinha que cai do ombro. Seus chapéus azul-marinhos redondos têm abas pontudas.

Os instrumentos são organizados por fileiras. Os músicos que tocam instrumentos de madeira são tão bons cidadãos que se levantam bem cedo todas as manhãs para o ensaio da banda sabendo que suas flautas e clarinetes nunca serão as estrelas da banda marcial. Seguem as fileiras de trompetes e trombones brilhantes e altivos, em seguida, as grandes tubas com suas campanas em formato de tigela batendo a linha do baixo no ar e o barulho tamborilado dos tambores tom-tom. Os coreógrafos giram bastões com bandeiras brilhantes e ondulantes em círculos no ar.

A multidão na calçada bate palmas seguindo o ritmo da banda; sonhadores de olhos grandes, jovens demais para o ensino médio, marcham espontaneamente ao lado da banda. Não haverá nenhuma dificuldade em recrutar a próxima geração de trompistas e de pais para levá-los aos primeiros ensaios.

A banda atravessa os portões do campo da escola, os tambores rufando. Os admiradores da John Adams enchem as arquibancadas do lado sul, e seus adversários as do lado norte. Como torcedores ao redor do mundo que levam o esporte a sério, os alunos ficam de pé e gritam com entusiasmo durante todo o jogo de futebol americano, mesmo que os mais jovens ainda não conheçam as regras.

Uma bola de futebol americano bem arremessada corta o ar como uma lança. Caída sobre seu nariz, a bola quica sem jeito para aqui e para lá. Jogo após jogo, em uniformes com enchimento, jovens atletas “galopam” e se chocam uns contra os outros. Quando um time pontua, o público em cada arquibancada explode de entusiasmo ou consternação.

No intervalo, enquanto os atletas descansam, a banda desfila sob os refletores do campo. Fileiras de músicos se movem majestosamente no campo para a esquerda e para a direita, enquanto os coreógrafos dos bastões decoram as bordas das formações com seus arcos de tecido colorido. Sob o estímulo da percussão e dos metais, a música enche o estádio do campo da escola e se espalha pela vizinhança. Certamente, alguma futura trompetista, atualmente usando pijamas, escuta na janela do seu quarto.

Este ensaio foi escrito pelo redator freelance Ken Smith.