Mulher caminha por uma grande parede branca com um logotipo da Huawei (© Kevin Frayer/Getty Images)
A Huawei, a maior fornecedora de equipamentos de telecomunicações do mundo, é obrigada por lei a apoiar as agências de inteligência do PCC (© Kevin Frayer/Getty Images)

Tem crescido o consenso internacional sobre os riscos inaceitáveis ​​de usar equipamentos de empresas de tecnologia sem fio de quinta geração (5G) da China.

Recentemente, preocupações com segurança levaram o governo da Grécia e os principais fornecedores de comunicações sem fio do Canadá a adotar medidas para eliminar a dependência que tinham em relação a empresas de telecomunicações chinesas, incluindo Huawei e ZTE.

“A maré está virando contra a Huawei, pois cidadãos de todo o mundo estão cientes do perigo representado pelo estado de vigilância do Partido Comunista Chinês”, disse o secretário de Estado dos EUA, Michael R. Pompeo, em um comunicado de 24 de junho. “Os acordos da Huawei com operadoras de telecomunicações em todo o mundo estão se evaporando porque os países estão permitindo que haja apenas fornecedores confiáveis ​​em suas redes 5G.”

Outras nações que escolheram fornecedores confiáveis em vez da Huawei incluem Austrália, República Tcheca, Polônia, Suécia, Estônia, Romênia, Dinamarca e Letônia, disse Pompeo. E as principais operadoras de telecomunicações de França, Coreia do Sul, Japão e Índia optaram por fornecedores mais confiáveis, acrescentou.

Autoridades dos EUA argumentam há muito tempo que as leis da República Popular da China que exigem que os fornecedores de telecomunicações chineses ofereçam suporte aos serviços de inteligência da China criam riscos significativos à segurança, incluindo roubo de dados e interrupção de serviços essenciais.

Tuíte:
Secretário Pompeo: Os EUA estão implementando a disposição da iniciativa Caminho Limpo 5G da Lei de Autorização de Defesa Nacional (NDAA) de 2019. Fornecedores não confiáveis, como Huawei e ZTE, não terão acesso aos sistemas do Departamento de Estado. Seguiremos a letra da lei para garantir um caminho limpo para o tráfego 5G que entra em nossas instalações e a fim de manter nossos dados seguros na fronteira cibernética. @SecPompeo #5G @StateDept

Além disso, o Partido Comunista Chinês (PCC) tem intimidado nações que expressaram preocupações de segurança. O PCC ameaçou punir o banco britânico HSBC e não cumprir o compromisso de construir usinas nucleares no Reino Unido, na tentativa de coagir Londres a permitir que a Huawei construa uma rede 5G, afirmou Pompeo em 9 de junho. A Austrália e a Dinamarca também têm sofrido pressão do PCC, disse ele.

Os EUA excluíram a Huawei e a ZTE de contratos com o governo. E o Departamento de Estado exige um “caminho limpo” para todo o tráfego de rede 5G entre as instalações diplomáticas dos EUA em todo o mundo e nos Estados Unidos.

Tuíte:
Subsecretário Keith Krach: Os acordos da Huawei com operadoras de telecomunicações em todo o mundo estão se evaporando, porque os países estão permitindo apenas fornecedores confiáveis ​​em suas redes 5G. Algumas das maiores empresas de telecomunicações estão se tornando “empresas de telecomunicações limpas”. A maré está virando! Saiba mais: https://state.gov/5g-clean-networks/ @State_E #5G

“O impulso a favor do 5G seguro está aumentando”, acrescentou Pompeo. “Quanto mais países, empresas e cidadãos perguntam a quem devem confiar seus dados mais sensíveis, mais óbvia é a resposta: não para o estado de vigilância do Partido Comunista Chinês.”