Cristãos americanos encontram renovação durante a Quaresma

Mulher asiática orando com uma cruz marcada na testa (© Scott Olson/Getty Images)
Em um ano em que o distanciamento social não era necessário, católicos celebraram a Quarta-Feira de Cinzas, que marca o primeiro dia da Quaresma, na Catedral do Santo Nome de Chicago (© Scott Olson/Getty Images)

Quando o reverendíssimo Michael Curry era menino, ele deixou de mascar chicletes Bazooka na Quaresma, assim como muitas crianças cristãs abrem mão de consumir chocolate ou algum outro doce.

Atualmente, como bispo presidente e primaz da Igreja Episcopal, Curry entende mais claramente o que a Quaresma significa.

“É maior do que uma barra de chocolate Hershey”, disse ele. Os 40 dias de oração, jejum e doação aos outros começaram como uma preparação para as pessoas se unirem à igreja na Páscoa. Mas a temporada foi ampliada a fim de incluir todos os cristãos que buscam uma conexão mais profunda com sua fé.

De acordo com o Fórum sobre Religião e Vida Pública do Centro de Pesquisa Pew*, cerca de 70% dos americanos são cristãos, incluindo episcopais, católicos e metodistas. E para eles, a Quaresma “pode ser um momento para uma verdadeira renovação espiritual”, disse Curry.

O período que antecede a Páscoa reflete os 40 dias que Jesus passou no deserto orando, jejuando e se preparando para seu ministério. Os cristãos americanos se lembram desses esforços através de várias abordagens. Eles abandonam os maus hábitos, deixam de comer carne às sextas-feiras, têm aulas de estudo bíblico, servem aos outros ou fazem doações de caridade.

A Quaresma representa “limpeza de primavera para a alma”, e a abstinência seja de doces, mídias sociais ou o que quer que a pessoa decida abrir mão é uma forma de se livrar das distrações que nos afastam da consciência espiritual, disse Ryan Dunn, ministro de engajamento on-line para a Igreja Metodista Unida, que tem 30 mil igrejas nos EUA.

Bispo Michael Curry ao microfone com as mãos levantadas e uma bandeira atrás dele (© Rick Bowmer/AP Images)
O bispo Michael Curry fala após ser o primeiro afro-americano eleito como bispo presidente da Igreja Episcopal em 2015 (© Rick Bowmer/AP Images)

Curry diz que praticar a força de vontade ajuda as pessoas a “se tornarem conscientes de como o egoísmo pode nos desviar [do caminho] e como surge dentro de nós”.

Conectando e refletindo

Muitas paróquias católicas nos Estados Unidos oferecem jantares sem o consumo de carne às sextas-feiras em seus salões de reunião, que vibram com a atividade de voluntariado por parte de paroquianos, crianças correndo e adultos conversando. Os paroquianos participam de um exercício devocional chamado Via Sacra, uma forma de refletir sobre os últimos acontecimentos da vida de Jesus.

As atividades da Quaresma culminam com a Semana Santa, que este ano começa com o Domingo de Ramos em 10 de abril e vai até a Páscoa em 17 de abril. A Semana Santa está repleta de celebrações extras e os bancos da igreja estão repletos de pessoas.

 Mulher carregando cajado com flores e folhas de palmeira entre um grupo de pessoas (© Jessica Rinaldi/The Boston Globe/Getty Images)
Paroquianos partem após a missa do Domingo de Ramos de 2017 na Igreja de Santa Rosa de Lima em Chelsea, Massachusetts (© Jessica Rinaldi/The Boston Globe/Getty Images)

As celebrações da Quaresma podem reorientar os cristãos, disse Curry, relatando a história do Novo Testamento de Jesus caminhando sobre as águas em direção a seus discípulos, que estavam em um barco e lutavam contra ventos perigosos. “Isso é o que a Quaresma está tentando nos ensinar a fazer andar sobre as águas em uma tempestade, que é sinônimo do que a vida geralmente representa”, disse ele.

Uma versão deste artigo foi publicada anteriormente em 25 de março de 2021.

* site em inglês