Devolvendo ‘os dias perdidos’ a milhões de meninas

Durante uma visita a um orfanato no Quênia em 2008, Celeste Mergens, profissional humanitária do estado de Washington, descobriu que meninas ficavam sentadas sobre um papelão por vários dias a cada mês, muitas vezes sem comida, a menos que alguém levasse alimento para elas.

Foi quando Celeste disse que descobriu pela primeira vez que muitas mulheres e meninas no mundo em desenvolvimento não tinham acesso a produtos de higiene feminina.

“Eu sabia que tínhamos de fazer algo para que elas não perdessem aulae nem ficassem isoladas em seus quartos”, disse Celeste.

Naquele ano, Celeste fundou a organização Days for Girls* (Dias para Meninas, em tradução livre), que recruta voluntários para costurar absorventes higiênicos laváveis, reutilizáveis e com boa capacidade de absorção, embalados em kits coloridos amarrados com cordão.

Meninas sentadas juntas rindo (© Devin Mergens)
Alunas da Guatemala com novos kits (© Devin Mergens)

Celeste disse que, a princípio, considerou produzir produtos descartáveis, mas logo percebeu que mulheres e meninas precisavam de algo sustentável “com o qual pudessem contar mês após mês”.

Hoje, cerca de 60 mil voluntários em países dos seis continentes compõem uma rede global que distribui os kits, juntamente com educação em saúdemenstrual, para mulheres e meninas em 127 países. Os kits possuem “código aberto”, a fim de que outras pessoas possam facilmente produzir os absorventes reutilizáveis ​​em qualquer lugar do mundo.

O impacto de “recuperar os dias perdidos”

Celeste disse que escolheu o nome Days for Girls porque “devolve a elas os dias que perderam — dias de educação, oportunidade, saúde e dignidade”.

“Até as meninas me dizerem que estavam sofrendo exploração sexualem troca de um único absorvente descartável, eu não reconheci o quão grande [é] o impacto de não ter o que você precisa para essa função biológica básica”, disse Celeste.

Days for Girls Ghana: Uma parte importante do sucesso geral de uma mulher é a educação. Meninas bem-educadas crescem e se tornam mulheres de sucesso em suas sociedades. Nós da Days For Girls Gana acreditamos que toda menina em todo lugar merece ter educação formal. #daysforgirlsghana#educationmatters#accra@DfGGhana

Days for Girls não é a única organização envolvida nessa questão.

Em Los Angeles, por exemplo, um grupo de estudantes do ensino médio realizou um evento com o intuito de vender comida. Queriam ajudar as escolas rurais da Índia a obter máquinas para produzir absorventes higiênicos a fim de ajudar a manter as meninas na escola. O projeto dos estudantes, que tiveram o auxílio de Melissa Berton, sua professora de inglês, atraiu a atenção de Rayka Zehtabchi, jovem diretora iraniana-americana, que fez um pequeno documentário sobre a máquina de fazer absorventes.

O filme se chama Absorvendo o Tabue deu aRayka um Oscar em fevereiro, fazendo dela a primeira mulher iraniana-americana a ganhar um prêmio da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas.

Duas mulheres usando vestido segurando estatuetas do Oscar (© Chris Pizzello/Invision/AP Images)
Melissa Berton, à esquerda, e Rayka Zehtabchi aceitam o prêmio de melhor curta-metragem pelo documentário Absorvendo o Tabu no Oscar (© Chris Pizzello/Invision/AP Images)

Após a conclusão das filmagens, a organização The Pad Project* (Projeto Absorvente, em tradução livre) foi criada como uma maneira para que mulheres do mundo todo iniciem seu próprio negócio distribuindo máquinas de fabricação de absorventes.

“Um ponto final deve terminar uma sentença, não a educação de uma menina” é o mantra do projeto e a forma como Rayka encerrou seu discurso de aceitação do Oscar, valendo-se do duplo sentido que o título original do filme Period. End of Sentence.dá para a palavra “period” em inglês, que pode significar ponto final ou menstruação.

* site em inglês