Mão enluvada manuseando ampolas de vacinas (© Rafiq Maqbool/AP Images)
As vacinas são apresentadas no Instituto Serum da Índia em Pune, Índia, em 21 de janeiro. Os EUA e seus parceiros apoiam a fabricação de vacinas na Índia (© Rafiq Maqbool/AP Images)

Os Estados Unidos e organizações parceiras travaram uma campanha histórica de vacinação em 2021, enviando milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 ao mundo inteiro.

Trabalhando com parceiros, os Estados Unidos distribuíram mais de 350 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 para mais de 110 países, apoiaram a fabricação de vacinas no exterior e apressaram o envio de assistência vital a áreas críticas ao redor do mundo.

O presidente Biden declarou que os Estados Unidos seriam o “arsenal de vacinas” do mundo e se comprometeu a doar mais de 1,2 bilhão de doses de vacinas contra a Covid-19 para outros países.

“Sabemos como derrotar esta pandemia: vacinas, medidas de saúde pública e ação coletiva”, disse Biden em uma cúpula global sobre a Covid-19 em 22 de setembro. Uma segunda cúpula está planejada para o início de 2022.

Mão enluvada manuseando ampolas de vacinas (© Rafiq Maqbool/AP Images)
As vacinas são apresentadas no Instituto Serum da Índia em Pune, Índia, em 21 de janeiro. Os EUA e seus parceiros apoiam a fabricação de vacinas na Índia (© Rafiq Maqbool/AP Images)

Doações de vacinas dos EUA são oferecidas sem amarras políticas. A maioria é enviada através do Covax, consórcio internacional dedicado à distribuição equitativa de doses de vacinas contra a Covid-19.

Desde março de 2020, os Estados Unidos já forneceram mais de US$ 19,6 bilhões mundialmente a fim de fabricar e enviar vacinas, fortalecer as cadeias de suprimento e fomentar a recuperação econômica global. O financiamento inclui US$ 4 bilhões em contribuições dos EUA para a Gavi, a aliança global* em apoio ao Covax.

“A maioria das vacinas doadas ao Covax até agora foi doada pelos Estados Unidos”, afirmou o Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), em 6 de dezembro.

Homem segurando uma prancheta olha para caixas etiquetadas com a bandeira dos EUA e a sigla 'Covax' (© Brian Inganga/AP Images)
Um funcionário do Unicef verifica caixas de vacinas da Moderna contra o coronavírus doadas pelos EUA por meio do Covax em Nairóbi, Quênia, 23 de agosto (© Brian Inganga/AP Images)

Os esforços dos EUA apoiam a meta da OMS de vacinar 70% da população de todos os países até setembro de 2022. Em 2021, os EUA e parceiros internacionais:

  • Doaram refrigeradores, freezers e equipamento de armazenamento ultrafrio a fim de assegurar que as doses de vacinas permaneçam eficazes.
  • Instruíram comunidades a respeito da segurança das vacinas contra a Covid-19 visando aumentar a confiança nas vacinas.
  • Apoiaram a fabricação de vacinas contra a Covid-19 na Índia, no Senegal e na África do Sul a fim de aumentar o fornecimento.
  • Responderam a surtos graves de Covid-19 em países como Índia e Brasil, fornecendo respiradores, métodos terapêuticos e outros auxílios vitais.

Tuíte:
Agência dos EUA para o Desenvolvimento Internacional (Usaid): Hoje, os EUA alcançaram um marco de 300 milhões de vacinas contra a Covid-19 enviadas mundialmente. Nós fazemos mais do que apenas enviar doses a mais de cem países — prestamos apoio ao transporte e à logística a fim de enviá-las a comunidades remotas e de difícil acesso. #COVID19 @USAID

Samantha Power, administradora da Agência dos EUA para o Desenvolvimento Internacional, anunciou em 6 de dezembro a iniciativa Acesso Global a Vacinas (Global Vax), alocando US$ 400 milhões para acelerar ainda mais a vacinação e prestar assistência.

O secretário de Estado, Antony Blinken, anunciou em 21 de dezembro US$ 580 milhões adicionais em financiamento dos EUA para sete organizações internacionais** que lutam contra a Covid-19 ao redor do mundo, incluindo o Unicef e a Organização Pan-Americana da Saúde.

O apoio contínuo vai permitir que mais pessoas retornem com segurança à vida normal da mesma forma que Francisca Ohaco Magallanes, uma trisavó em Villa Soriano, Uruguai, o fez em 2021 quando as vacinas contra a Covid-19 permitiram que ela visse a família novamente.

“Para mim, é como um reforço, uma outra vida que me foi concedida”, disse Francisca, então com 92 anos, ao Unicef em agosto.

Aesha, uma refugiada da Síria, recebeu sua vacina em março após um envio de doses através do Covax ao campo de refugiados Za’atari, na Jordânia. “A vacina é uma proteção para todos nós”, Aesha, então com 62 anos, disse ao Unicef. “Sou muito grata.”

* site em inglês e francês
** site em inglês