Educação: meninas afegãs recebem uma segunda chance

Quase amanhece quando Golsom Shojaee segue viagem em uma motocicleta por entre as montanhas da região central do Afeganistão. Sua missão: garantir que os centros de educação comunitária localizados em áreas remotas funcionem sem problemas.

O trabalho de Golsom integra um programa da Agência dos EUA para o Desenvolvimento Internacional (Usaid) que visa dar a mulheres e meninas uma segunda chance para receber educação formal em comunidades afegãs remotas e carentes.

Mulher e menina lendo um livro (©Unicef Afeganistão/2016/Sheida)
Golsom Shojaee, à direita, ensina uma estudante a resolver um problema de matemática em um centro de ensino em Daikundi, na região central do Afeganistão (©Unicef Afeganistão/2016/Sheida)

A Usaid firmou parceria com o Unicef e o Ministério da Educação do Afeganistão para criar Centros de Aprendizagem Acelerada* em 13 das províncias mais afastadas do Afeganistão. Os centros são projetados para mulheres jovens que não tiveram acesso e oportunidade de receber uma educação formal devido a conflitos, falta de professores do sexo feminino, distância até uma escola ou falta de material didático e escolar.

“Em todo o mundo, os Estados Unidos estão trabalhando em comunidades para ajudar meninas a entender seus direitos, aumentar sua autoconfiança e motivá-las a serem líderes em suas comunidades”, disse o presidente Trump no dia 11 de outubro ao homenagear o Dia Internacional da Menina.

“Assegurar que as mulheres jovens tenham acesso, educação formal e capacitação de que necessitam a fim de alcançar seu potencial pleno é fundamental para garantir que o poder, o intelecto e as habilidades de nossas melhores e mais brilhantes mulheres jovens sejam aflorados pelo bem de todos”, disse o presidente.

As iniciativas da Usaid no Afeganistão

Em 2001, estudantes do sexo feminino foram excluídas de quase todas as oportunidades educacionais no Afeganistão. Hoje, 9 milhões de crianças estão matriculadas em escolas, incluindo 3,5 milhões de meninas, de acordo com o Ministério da Educação do Afeganistão.

Mulher escreve em frente a estudantes sentados no chão (©Unicef Afeganistão/2016/Sheida)
Golsom, à direita, monitora programas educacionais comunitários para mulheres e meninas em comunidades isoladas e carentes (©Unicef Afeganistão/2016/Sheida)

Há mais de uma década, a Usaid, o governo afegão e os doadores internacionais trabalham juntos para tornar o ensino fundamental e médio mais acessível a todos os estudantes que desejam frequentar uma escola, especialmente mulheres e meninas. A Usaid também recrutou e capacitou mais de 154 mil professores, incluindo 54 mil mulheres.

Golsom, que é formada pela Universidade de Cabul, disse: “Nunca sonhei que um dia eu poderia apoiar estas comunidades a fim de implementar aulas para a educação de meninas. É meu sonho que todas as meninas do país possam um dia receber uma educação formal.”

Casal anda de motocicleta. Ao fundo, montanhas cobertas de neve (©Unicef Afeganistão/2016/Sheida)
Golsom e seu marido viajam para chegar a um dos 20 centros de ensino remotos que ela monitora (©Unicef Afeganistão/2016/Sheida)

Uma versão mais longa deste artigo* aparece no site da Usaid/Exposure. A redação é de autoria de Sahraa Karimi e a reportagem é de Mohammad Ali Sheida.

* site em inglês