Ela saiu de casa para ajudar refugiados sírios. Hoje sua morte foi confirmada.

Kayla Jean Mueller dedicou sua vida ajudando as pessoas necessitados (© AP Images)

O presidente Obama confirmou, no dia 10 de fevereiro, a morte da trabalhadora humanitária americana Kayla Jean Mueller, mantida em cativeiro por terroristas do Daesh na Síria.

“Kayla dedicou sua vida para ajudar os necessitados nos Estados Unidos e em todo o mundo”, afirmou Obama em declaração na Casa Branca (site em inglês) sobre a morte da voluntária de 26 anos.

A jovem era apenas uma dos inúmeros americanos que trabalham dentro de uma variedade de organizações que levam conforto e auxílio ao povo da Síria.

Antes da Síria, Kayla foi voluntária em um abrigo feminino e trabalhou em uma clínica de HIV/Aids em seu estado natal, Arizona. Seu desejo de ajudar os outros também a levou a atuar em esforços humanitários na Índia, em Israel e nos Territórios Palestinos.

Os terroristas do Daesh sequestraram Kayla na Síria enquanto ela trabalhava para um grupo no sul da Turquia que presta ajuda a refugiados sírios (site em inglês).

“A compaixão e a dedicação de Kayla na assistência aos necessitados nos mostra que mesmo com a existência do mal desmedido, a decência essencial da humanidade pode persistir”, afirmou Obama.

Obama prometeu levar à justiça os integrantes do Daesh que a sequestraram.

“Independente de quanto tempo levar, os Estados Unidos encontrarão e levarão à justiça os terroristas responsáveis pela captura e morte de Kayla”, declarou Obama.

O secretário de Estado, John Kerry, disse em declaração (site em inglês) que enquanto os terroristas do Daesh exploravam a crise da Síria para governar usando violência, Kayla procurava fazer o oposto.

“Ela deu esperança às pessoas mesmo quando seu mundo se despedaçava ao seu redor”, afirmou Kerry. “O senso de valores de Kayla, sua humanidade e generosidade, seu idealismo — isso é o que perdurará, e irá perdurar por muito, muito tempo depois de a barbaridade de EIIL ser derrotada.”