Desde café e chocolate a aviões e petróleo, o comércio bilateral entre os Estados Unidos e a África está se expandindo. Isso se deve em grande parte a um acordo de livre comércio recíproco denominado Lei de Crescimento e Oportunidades para a África (Agoa).

Desde que essa lei entrou em vigor em 2001, o comércio não petrolífero entre os EUA e a África triplicou.

O tema do 16º Fórum da Agoa, a ser realizado em Lomé, Togo, de 8 a 10 de agosto, é: “EUA e África: Parceria pela Prosperidade através do Comércio”. Um assunto de particular interesse é a importância que a mulher, a sociedade civil e o setor privado exercem ao impulsionar o crescimento econômico.

Confira o que as principais autoridades estão dizendo sobre o comércio entre os EUA e a África:

Foto do presidente Trump (Depto. de Estado/Julia Maruszewski)

“A África é um lugar de oportunidades.”


— Presidente Trump

 

 

Foto do secretário de Comércio, Wilbur Ross (Depto. de Estado/Julia Maruszewski)“Nossa relação comercial é vital à segurança e à estabilidade dos Estados Unidos e da África.”


— Secretário de Comércio dos EUA, Wilbur Ross

 

Foto do copresidente do Centro Empresarial EUA-África, Aliko Dangote (Depto. de Estado/Julia Maruszewski)“As empresas americanas não veem mais a África como um trampolim para o comércio global, mas como o futuro do comércio.”


— Aliko Dangote, copresidente do Centro Empresarial EUA-África
na Câmara de Comércio dos EUA

 

Foto do presidente do Banco de Desenvolvimento Africano, Akinwumi Adesina (Depto. de Estado/Julia Maruszewski)“Uma estreita parceria entre os EUA, a nação mais poderosa do mundo, e a África, a próxima fronteira de crescimento em investimentos do mundo, é tão crucial. Vamos ser grandiosos juntos!”


— Akinwumi Adesina, presidente do
Banco de Desenvolvimento Africano

Caitlin M. Quinn contribuiu com este artigo.