Este oficial em treinamento acaba de ampliar a liberdade religiosa

Iknoor Singh apelou à lei para praticar sua religião enquanto servia seu país (União Americana das Liberdades Civis)

Iknoor Singh, na foto acima, queria se juntar ao Corpo de Treinamento de Oficiais da Reserva do Exército dos EUA (ROTC, na sigla em inglês). O Exército disse a Singh que ele primeiro deveria fazer a barba e não usar o turbante enquanto estivesse em serviço.

Singh adere ao siquismo, religião que estipula que seguidores masculinos mantenham a barba e o cabelo sem cortar e usem um turbante na cabeça.

Um juiz de um tribunal federal de primeira instância ficou do lado de Singh. “A princípio eu não acreditei quando me inteirei da decisão”, Singh informou à Associated Press*.

Nos termos da legislação federal dos EUA, o governo pode não “interferir substancialmente” no exercício religioso de uma pessoa exceto para atender a um “interesse governamental convincente”. Mesmo nesse caso, a lei permite somente o meio menos restritivo de promover esse interesse.

A juíza Amy Berman Jackson decidiu que o turbante e a barba não exerceriam um impacto em sua habilidade de servir. Ela observou que o Exército já concedeu muitas isenções médicas vinculadas às suas normas relativas aos pelos faciais.

Singh disse que está interessado no serviço público e quer trabalhar na inteligência militar após concluir o programa de treinamento de oficiais.

“Não é fácil se tornar um oficial”, afirmou. “Você tem de ser proficiente em muitas áreas.”

* site em inglês