Military ships sailing in formation (DOD/U.S. Navy Petty Officer 3rd Class Leon Wong)
Navios da Marinha indiana, da Força Marítima de Autodefesa do Japão e da Marinha dos EUA navegam em formação na Baía de Bengala em 2017 (Depto. de Defesa/ terceiro-sargento da Marinha Leon Wong)

As duas maiores democracias do mundo buscam fortalecer uma relação que já é forte.

Três marinheiros usando fones de ouvido junto a parapeito de navio (Depto. de Defesa/terceiro-sargento da Marinha Leon Wong)
Marinheiros da Marinha indiana a bordo do USS Nimitz na Baía de Bengala em 2017 (Depto. de Defesa/terceiro-sargento da Marinha Leon Wong)

A Índia realiza mais exercícios militares com os Estados Unidos do que qualquer outro parceiro. Essa estreita relação militar estará entre os itens da agenda quando o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, e o secretário de Defesa, Jim Mattis, se reunirem com seus homólogos indianos, a ministra de Relações Exteriores, Sushma Swaraj, e a ministra da Defesa, Nirmala Sitharaman, em 6 de setembro em Nova Délhi. É a primeira reunião entre as nações.

“O diálogo é um indicador do aprofundamento da parceria estratégica entre os dois países e do surgimento da Índia como provedora de segurança na região”, disse a porta-voz do Departamento de Estado, Heather Nauert, em 29 de agosto.

Pompeo anunciou recentemente uma nova iniciativa na Baía de Bengala, que abriga rotas marítimas que ligam o Oceano Índico ao Leste da Ásia. Os EUA trabalharão com Índia, Bangladesh, Sri Lanka e outros países visando compartilhar informações de remessas comerciais com o intuito de ajudar a melhorar a segurança e responder a ameaças futuras.

“Quando dizemos Indo-Pacífico ‘livre’, significa que todos queremos que todas as nações, cada nação, sejam capazes de proteger sua soberania da coerção de outros países. No âmbito nacional, ‘livre’ significa boa governança e a garantia de que os cidadãos podem desfrutar de seus direitos e liberdades fundamentais”, disse Pompeo em julho.

“Quando dizemos ‘aberto’ no Indo-Pacífico, significa que queremos que todas as nações tenham acesso livre aos mares e às vias aéreas. Queremos a resolução pacífica de disputas territoriais e marítimas. Isso é fundamental para a paz internacional e para a realização dos objetivos nacionais de cada país”, disse o secretário.

Marinheiros andam perto de helicópteros no convés de navio (Depto. de Defesa/segundo-sargento da Marinha Holly L. Herline)
O contra-almirante Biswajit Dasgupta (centro) da Marinha Indiana a bordo do USS Nimitz na Baía de Bengala em 2017 (Depto. de Defesa/segundo-sargento da Marinha Holly L. Herline)

Os Estados Unidos estão fornecendo fundos para treinamentos e exercícios militares com a Índia, e estabelecendo “indicadores de referência específicos para progresso mensurável visando melhorar o status da Índia como um grande parceiro de defesa e cooperação de defesa e segurança com a Índia”, de acordo com a legislação de gastos de defesa de 2019 dos EUA.

Os Estados Unidos e a Índia também têm trabalhado juntos nos últimos três anos para aumentar a participação de países parceiros africanos em missões de manutenção da paz por meio de três cursos realizados em Nova Délhi e por meio de uma equipe dos EUA e da Índia de treinamento móvel, que foi enviada à Zâmbia em fevereiro para oferecer treinamento médico in loco.