EUA oferecem US$ 15 milhões por informações sobre rede terrorista do Irã

O governo Trump está oferecendo até US$ 15 milhões por informações que ajudem a interromper as fontes do Irã que financiam o terrorismo.

Tuíte:
Departamento de Estado: O representante especial para o Irã, Brian Hook, anunciou que os EUA estão oferecendo recompensas de até US$ 15 milhões a quem puder ajudar a interromper as operações financeiras da Guarda Revolucionária Islâmica. Envie uma dica acessando http://rewardsforjustice.net@StateDept#Iran

Especificamente, a recompensa do programa Recompensa por Justiça do Departamento de Estado se refere a detalhes relacionados à Guarda Revolucionária Islâmica (IRGC) do Irã, braço do regime islâmico no Irã que os EUA designaramcomo organização terrorista em abril.

“Demos esse passo porque a IRGC opera mais como uma organização terrorista do que como um governo”, disse o representante especial dos EUA para o Irã, Brian Hook, a repórteres em 4 de setembro. Ele disse que é a primeira vez que o programa Recompensa por Justiça do Departamento de Estado tem como alvo uma entidade de um governo estrangeiro.

Principalmente por meio de sua Força Quds, a IRGC realiza e dirige campanhas terroristas globais perigosas e desestabilizadoras a partir de Teerã.

Iniciado em 1984, o programa Recompensa por Justiça pagou mais de US$ 150 milhões a mais de cem pessoas que forneceram informações que levaram a ações penais ou impediram ataques terroristas.

Os EUA estão buscando informações sobre pessoas ou empresas que ajudam a IRGC a evitar sanções, incluindo uma vasta rede da IRGC que nos últimos meses forneceu mais de um bilhão de dólares em petróleo e outros combustíveis para apoiar Bashar Assad, o Hezbollah e outros agentes malignos.

“O Irã quer que esses grupos ultrapassem as fronteiras da revolução do regime e semeiem o caos e a violência sectária”, disse Hook.

Dois homens segurando armas caminham pelo convés de navio (© Morteza Akhoondi/Mehr News Agency /AP Images)
Membros da IRGC do Irã inspecionam o navio-petroleiro Stena Impero, de bandeira britânica, que o regime apreendeu em julho (© Morteza Akhoondi/Mehr News Agency /AP Images)

Autoridades americanas também anunciaram sanções contra a rede de navegação, visando 16 pessoas jurídicas, dez pessoas físicas e 11 navios. Elas alertaram a comunidade marítima internacional de que a IRGC frequentemente disfarça seus envios. As táticas enganosas incluem a falsificação de documentos e o desligamento dos transponders (receptores e retransmissores de sinais), que fazem o rastreamento de navios, o que viola o Direito Internacional.

“A exportação de petróleo do Irã financia diretamente atos de terrorismo cometidos por agentes iranianos e atrocidades cometidas pelo regime de Assad contra pessoas inocentes”, disse a subsecretária do Tesouro para o Terrorismo e a Inteligência Financeira, Sigal Mandelker, através de uma declaração em 4 de setembro. “A comunidade internacional deve rejeitar veementemente o petróleo e produtos iranianos relacionados da mesma maneira que rejeita os atos violentos de terrorismo que essas redes financiam.”