EUA trabalham para prevenir atrocidades em todo o mundo

Mulher pegando trigo com um recipiente (© Ben Curtis/AP Images)
Uma mulher etíope serve trigo para famílias que aguardavam após uma entrega realizada pela Sociedade de Socorro de Tigray na cidade de Agula, na região de Tigray, no norte da Etiópia, no sábado, 8 de maio (© Ben Curtis/AP Images)

Os Estados Unidos estão intensificando esforços a fim de prevenir e impedir atrocidades em todo o mundo.

“Na melhor das hipóteses, os Estados Unidos ajudam a levar paz e estabilidade a lugares aonde as pessoas estão sofrendo”, disse o secretário de Estado, Antony Blinken, em 12 de julho, anunciando o lançamento do relatório Lei Elie Wiesel de Prevenção de Genocídio e Atrocidades 2021*. “Nosso trabalho na prevenção de atrocidades representa nossos maiores ideais em ação.”

O relatório de 2021 detalha atrocidades em países ao redor do mundo e descreve os esforços dos EUA para detê-las. Trabalhando com parceiros internacionais, os Estados Unidos punem aqueles que cometem atrocidades, impõem controles de exportação visando deter violações dos direitos humanos e enviam ajuda vital a fim de apoiar defensores dos direitos em perigo de sofrer perseguição por parte de regimes repressivos.

Desde que o Congresso aprovou a Lei Elie Wiesel de Prevenção de Genocídio e Atrocidades em 2018, os EUA treinaram milhares de profissionais diplomáticos, de desenvolvimento e defesa com o objetivo de prevenir atrocidades. Também desenvolveram novas ferramentas, como o uso de imagens de satélite a fim de fornecer alertas antecipados de violência.

A lei de 2018 exigindo que o governo dos EUA evite e mitigue atrocidades foi batizada com o nome do autor Elie Wiesel, que narrou suas experiências em campos de concentração nazistas.

O relatório detalha atrocidades ocorridas em países, incluindo:

Homem de cabeça baixa segurando fotos (© Burhan Ozbilici/AP Images)
Um homem lamenta parentes desaparecidos perto da Embaixada da República Popular da China em Ancara, Turquia, em 9 de fevereiro (© Burhan Ozbilici/AP Images)

“O governo Biden está comprometido com a promoção de valores democráticos que sustentem um sistema internacional estável fundamental para a liberdade, a prosperidade e a paz”, diz o relatório. “Este governo defenderá e protegerá os direitos humanos em todo o mundo e reconhece que a prevenção de atrocidades é um interesse fundamental da segurança nacional e uma responsabilidade moral fundamental.”

* site em inglês

Homem caminhando em maio a escombros de um hospital destruído (© Ghaith Alsayed/AP Images)
O bombardeio de um hospital em Afrin, Síria, em 13 de junho matou pelo menos 13 pessoas, incluindo dois trabalhadores médicos, de acordo com a Associated Press (© Ghaith Alsayed/AP Images)