Inovações de saúde ajudam no mais recente surto de ebola

A Organização Mundial da Saúde anunciou recentemente um surto de ebola na República Democrática do Congo (RDC), o maior desde a época em que uma epidemia de ebola assolou a África Ocidental de 2013 a 2016. Pelo menos duas novas ferramentas que auxiliam pacientes e profissionais de saúde na RDC a combater a doença são produtos do Grande Desafio da Usaid para o Combate ao Ebola.

A Usaid concedeu subvenções em 2015 para duas empresas, Kinnos Inc. e Shift Labs, a fim de desenvolver soluções tangíveis para os grandes desafios enfrentados por profissionais de saúde na África Ocidental, com a intenção de que as soluções estariam prontas para serem colocadas em prática quando a próxima epidemia ocorresse.

“Nossa prioridade, e nossa esperança, é que essas seriam soluções que podem ser usadas dinamicamente em meio a uma crise”, afirma Jennifer Fluder, assessora sênior para Inovação e Parcerias para a Usaid.

Descontaminação

A Kinnos criou o Highlight*, pó azul que é adicionado a soluções alvejantes usadas como desinfetantes em centros de tratamento de ebola. A descontaminação é a primeira linha de defesa contra uma epidemia, afirma Jason Kang, cofundador da Kinnos. Durante a epidemia de ebola na África Ocidental, muitos profissionais de saúde não estavam desinfetando adequadamente. Eles estavam deixando áreas secas ou não esperavam tempo suficiente para a solução agir no local onde foi aplicada.

O aditivo azul, que muda as propriedades líquidas do alvejante a fim de ajudá-lo a aderir a superfícies impermeáveis, permite que funcionários de saúde vejam as áreas que não foram descontaminadas. A cor se desvanece assim que o tempo de contato necessário passa, sinalizando que a área foi descontaminada.

Monitoramento intravenoso

O produto da Shift Labs, DripAssist, permite que funcionários de saúde monitorem a dosagem de gotejamento intravenoso com precisão em instalações com recursos limitados. Enfermeiros devem monitorar cuidadosamente o gotejamento intravenoso para que os pacientes recebam a dosagem correta de medicamentos e fluidos, ou potencialmente complicações fatais podem surgir.

De 1500 ideias, a Usaid apoiou a DripAssist da ShiftLab como uma das 14 inovações promissoras em 2015. Hoje, o aparelho médico de baixo custo é usado em 19 países em desenvolvimento e em hospitais americanos. Conheça a inovadora Beth Kolko, CEO da ShiftLab, HCDE (Universidade de Washington): https://goo.gl/Y6bSBy @USAID @bkolko @hcdeUW #USAIDTransforms @CIIimpact @ShiftLabs #innovations #medical

ZMapp é um tratamento experimental administrado por via intravenosa, mas críticos acreditam que é arriscado demais usar o aparelho em centros de tratamento de ebola sem as dispendiosas bombas infusoras elétricas. O DripAssist é um aparelho portátil que funciona com pilhas e que pode ser enganchado em qualquer sistema de terapia intravenosa existente em clínicas a fim de monitorar com precisão as taxas de infusão, tornando o ZMapp seguro para ser usado em instalações com recursos limitados.

Poucos dias após o anúncio da Organização Mundial da Saúde sobre o surto de ebola, a Kinnos e a Shift Labs foram contatadas por organizações parceiras que querem levar seus produtos para centros de tratamento de ebola na RDC. A organização humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras  enviou mil unidades do Highlight, e os fabricantes do ZMapp enviaram dez unidades de DripAssist para Kinshasa em 25 de maio.

“Uma das coisas que adoro em programas como o Grande Desafio para o Combate ao Ebola é que eles ajudam empresas como a nossa e a comunidade em geral a construir ferramentas melhores e mais robustas que acabam beneficiando todos os tipos de pessoas”, diz Beth Kolko, CEO da Shift Labs.

* site em inglês