Judeus americanos celebram dias sagrados

Este artigo integra uma série ocasional sobre como os americanos celebram feriados religiosos.​

Um som contínuo emitido pelo shofar, ou chifre de carneiro, anuncia a chegada do ano novo no calendário hebraico. Para os judeus, o som do shofar é mais do que o de um instrumento musical cujo uso remonta à Israel antiga. É o som da presença de Deus.

Todo quarto trimestre nos Estados Unidos, judeus praticantes embarcam em uma jornada espiritual introspectiva, começando com Rosh Hashaná (Ano Novo) e terminando nove dias depois com Yom Kipur (Dia do Perdão).

Esses dois dias sagrados do calendário lunar hebraico geralmente caem em setembro ou outubro.

Rosh Hashaná

Este ano, Rosh Hashaná começa no pôr do sol em 29 de setembro. O feriado marca o primeiro dia do Ano Novo judaico e é um momento em que os judeus em todo o mundo avaliam suas ações do ano anterior.

“Reflitam, reajam, resolvam”, afirma o rabino Lyle A. Fishman, da Congregação Ohr Kodesh em Chevy Chase, Maryland. “Cada um de nós precisa olhar para trás com honestidade”, diz ele, e considerar como melhorar. “Devemos cada um resolver sair da reflexão e da reação, e partir para a ação resoluta.”

Grupo de pessoas em uma ponte joga pedaços de pão em riacho (© Linda Davidson/Washington Post via Getty Images)
Em um ritual de Rosh Hashaná conhecido como “tashlich”, a chantre Hinda Eisen Labovitz (ao centro), de Maryland, lança migalhas de pão em água corrente para simbolizar a expulsão dos pecados (© Linda Davidson/Washington Post via Getty Images)

Maçã, fatia de maçã e mel em colher de pau (Shutterstock)
Maçãs e mel (Shutterstock)

Muitos devotos esperam que, ao se redimir de seus pecados, seus nomes sejam inseridos em um “livro da vida” simbólico antes de ser lacrado ao fim de dez dias.

Um costume comum do Rosh Hashaná é mergulhar fatias de maçã no mel para ilustrar a esperança de um ano novo “doce”.

Nos dias que precedem o Yom Kipur, os judeus fazem orações especiais diárias, preparam refeições festivas e fazem contribuições para instituições beneficentes.

Yom Kippur

O décimo dia é Yom Kipur, Dia do Perdão, o dia mais solene do calendário hebraico. Este ano, Yom Kipur começa no pôr do sol de 8 de outubro. Os judeus são incentivados a se afastar, tanto quanto possível, das preocupações diárias e, em vez disso, se dedicar inteiramente à sua relação com Deus.

No Yom Kipur, os judeus jejuam desde o pôr do sol até o pôr do sol do dia seguinte. A maior parte do dia é dedicada a orações na sinagoga.

Pessoas em pé trajando xales de oração atrás de cestos de frutas e mesas (© AP Images)
Evento de Rosh Hashaná no Templo de Isaías, em Los Angeles, no qual os participantes comerão “frutas novas”, costume observado na segunda noite (© Nick Ut/AP Images)

O serviço de Yom Kipur se encerra ao anoitecer com um contínuo e estrondoso toque de shofar para simbolizar o perdão de Deus concedido aos verdadeiramente arrependidos pelos pecados cometidos.

O ritual é seguido por música, dança e uma refeição festiva, à medida que os judeus retornam às suas atividades diárias com uma sensação de renovação e alegria.

“Ouvimos o som do chifre do carneiro, que nos convida a renovar nossas vidas e a reparar o mundo”, afirma o rabino Joseph A. Skloot, da Congregação Hebraica de Washington.

Uma versão deste artigo foi publicada anteriormente em 15 de setembro de 2017.


Ouça o som do shofar: