Imagem de homem de terno, com fone de ouvido, segurando folha de papel e falando ao microfone (Depto. de Estado/D. Thompson)
(Depto. de Estado/D. Thompson)

Organizações de notícias estatais chinesas gostariam que o mundo pensasse que elas são independentes e confiáveis. Mas não são.

Muitos desses meios de comunicação trabalham para espalhar propaganda do Partido Comunista Chinês (PCC) ao redor do mundo, e seus funcionários trabalham efetivamente para o PCC.

Essa foi a conclusão do secretário de Estado, Michael R. Pompeo, quando ordenou que o Departamento de Estado limitasse o número de funcionários chineses que cinco meios de comunicação chineses poderiam ter nos Estados Unidos. O secretário disse que esses meios eram “missões estrangeiras” efetivamente controladas pelo governo chinês.

“Ao contrário de meios de comunicação estrangeiros na China, essas entidades não são órgãos de imprensa independentes”, disse Pompeu em declaração em 2 de março*.

Os cinco meios de comunicação são:

  • Agência de Notícias Xinhua.
  • Rede Global de Televisão da China, que está no âmbito da Televisão Central da China, CCTV.
  • Rádio Internacional da China.
  • Corporação de Distribuição Diária da China.
  • Hai Tian Desenvolvimento EUA, distribuidora para o jornal People’s Daily nos Estados Unidos.

O que é uma missão estrangeira?

Missão estrangeira é o termo destinado a organizações reconhecidas como sendo controladas por um governo estrangeiro, como embaixadas e consulados.

A designação significa que, como qualquer outra missão estrangeira, meios de comunicação controlados pelo PCC têm de informar ao Departamento de Estado quais funcionários estão trabalhando nos Estados Unidos e quais escritórios possuem ou alugam.

Ilustração de um grupo de pessoas em silhueta olhando para a bandeira chinesas (Depto. de Estado/D. Thompson)
(Depto. de Estado/D. Thompson)

A designação de missão estrangeira não impõe restrições sobre o que esses meios de comunicação podem publicar nos Estados Unidos, esclareceu Pompeo. “O governo dos EUA há muito tempo recebe jornalistas estrangeiros, incluindo jornalistas do PCC, a fim de trabalhar livremente e sem ameaças de represália.”

O PCC e a mídia

O controle do PCC sobre a mídia estatal é apenas parte dos esforços do secretário-geral do Partido Comunista, Xi Jinping, para controlar a população da China e influenciar as narrativas da mídia ao redor do mundo.

Desde a proibição do uso de certas palavras à rigorosa censura da internet e por meio de empresas de tecnologia chinesas no exterior, Xi reforçou o controle do PCC sobre o que as pessoas podem dizer e ouvir sobre a China.

No ano passado, o governo chinês prendeu mais jornalistas do que qualquer outro país do mundo.

“Instamos o PCC a manter imediatamente seus compromissos de respeitar a liberdade de imprensa”, disse o secretário Pompeo.

* site em inglês