As convenções políticas dos EUA são espetáculos coloridos. A começar por vários milhares de delegados. Acrescente 15 mil ou mais impressos, internet, jornalistas de rádio e tevê. Não se esqueça dos discursos. Um legislador pouco conhecido de Illinois chamado Barack Obama atraiu a atenção nacional pela primeira vez através de seu discurso na Convenção Nacional Democrata em 2004.

E balões. Muitos balões. Os republicanos soltaram 120 mil deles em sua convenção republicana de 2012.

Para os americanos que gostam de política, as principais convenções partidárias são como o Super Bowl (a grande final da NFL, a liga de futebol americano dos EUA): muito divertidas, alguém ganha, e você pode acompanhá-las pela tevê.

Não é só diversão

Apesar da pompa, as convenções políticas têm finalidades muito importantes. Em quatro dias (18-21 de julho para os republicanos; 25-28 de julho para os democratas) cada convenção irá:

  • Selecionar os candidatos do partido para presidente e vice-presidente.
  • Ajudar a gerar entusiasmo para essa chapa eleitoral.
  • Aprovar uma plataforma indicando as posições do partido em relação a temas do dia.
  • Dar oportunidade para que outras figuras do partido apareçam perante um público nacional.

Nesses dois grandes partidos, uma simples maioria de delegados escolhe o indicado à Presidência. (Os delegados rotineiramente aprovam a escolha para vice-presidente de seu candidato presidencial.) Nos últimos anos, um candidato, através dos caucuses e das eleições primárias, sempre ganhou a maioria dos delegados antes mesmo da convenção começar. Isso significa que há muito pouco de suspense em relação ao indicado à Presidência, e o foco se desvia para outros objetivos da convenção.

Se nenhum candidato atrai a maioria, os delegados votam repetidamente, até que um vencedor seja selecionado. Esse cenário não ocorre desde 1952, mas era comum no início do século 20. Em 1924, os democratas precisavam de 103 votos para nomear John W. Davis para presidente. (Ele perdeu.)

Embora as normas dos partidos estaduais determinem como os delegados votam, geralmente eles devem votar na primeira cédula pelo candidato com o qual estão “comprometidos”, e posteriormente podem mudar seu apoio.

O voto propriamente dito é um destaque. Os estados divulgam os resultados em ordem alfabética. Um delegado relata os totais para aquele estado. Muitos usam a ocasião para oferecer à nação uma descrição colorida das notáveis contribuições de seu estado à estrutura da sociedade. Assim:

“Senhora secretária, tenho orgulho de liderar a delegação do Alabama. O Alabama está avançando! Três campeonatos nacionais de futebol americano nos últimos três anos. [Ouve-se algumas vaias de outras delegações estaduais.] Líder em tecnologia de transporte. Três fábricas de nível mundial e uma nova fábrica de jatos recentemente anunciada (…)”.

Uma vez que cada partido representa uma diversa coalizão de interesses, uma convenção bem-sucedida é uma que une esses interesses ao redor de um objetivo comum: eleger o próximo presidente!