O governo chinês insiste que sua prática de deter e “reeducar” uigures e outras minorias étnicas muçulmanas faz parte de operações legítimas de combate ao terrorismo.

Provas irrefutáveis demonstram que isso não é verdade.

Analise os fatos. Autoridades chinesas internaram mais de 1 milhão de uigures, cazaques étnicos e outros muçulmanos em campos de internamento onde os prisioneiros são forçados a renunciar suas identidades religiosas e étnicas e jurar lealdade ao Partido Comunista. A verdade é que, nesses campos, as pessoas são torturadas e obrigadas a fazer trabalho forçado. Principais alvos: intelectuais uigures que usam seu talento para redação e ensino a fim de promover a cultura uigur.

Além disso, o governo chinês:

Jornalistas se aproximam de homem em entrevista coletiva (© Andy Wong/AP Images)
Shohrat Zakir, ao centro, presidente da região autônoma uigur de Xinjiang, na China, responde a perguntas de repórteres em julho sobre o tratamento dado pelo governo aos uigures (© Andy Wong/AP Images)

“A campanha repressiva da China em Xinjiang não é sobre terrorismo”, disse o secretário de Estado, Michael R. Pompeo, em uma reunião dos Estados da Ásia Central* durante a Assembleia Geral da ONU em setembro. Trata-se “de uma tentativa da China de extinguir a religião e a cultura muçulmanas de seus próprios cidadãos”.

Naquela mesma semana, o embaixador chinês alegou que os campos são experimentos úteis e preventivos de combate ao terrorismo.

O subsecretário de Estado John Sullivan rejeitou categoricamente as alegações da China, afirmando que a ideia de que o governo chinês está realizando um combate ao terrorismo é uma “narrativa falsa”. Os muçulmanos uigures “podem ser detidos por simplesmente possuir livros sobre a religião e a cultura uigur, recitar versos do Alcorão em um funeral, ou até mesmo trajar vestimentas que exibem o crescente muçulmano”, disse ele.

“O que a China está fazendo não é combate ao terrorismo”, afirmou Sam Brownback, embaixador-geral em Defesa da Liberdade Religiosa Internacional, do Departamento de Estado, em um artigo em maio*. “É uma repressão hedionda, em grande escala.”

* site em inglês