O processo de Varsóvia: novas soluções para velhos problemas

Líderes mundiais em um palco (© Michael Sohn/AP Images)
Líderes mundiais se reuniram em Varsóvia, na Polônia, em fevereiro, para uma reunião ministerial sobre paz e segurança no Oriente Médio (© Michael Sohn/AP Images)

Mesmo embora o Irã empregue a coerção para impor sua visão do Oriente Médio a outros povos, o secretário de Estado, Mike Pompeo, delineou a próxima fase de uma iniciativa multilateral a fim de promover a paz e a segurança na região.

Mais de 80 países foram convidados a participar no Processo de Varsóvia, esforço conjunto liderado por EUA e Polônia visando abordar ameaças contínuas à paz e à segurança e questões estratégias de mais longo prazo no Oriente Médio.

“De Alepo a Áden, de Trípoli a Teerã, uma maior cooperação no Oriente Médio é necessária mais do que nunca”, disse o secretário ao Conselho de Segurança da ONU em 20 de agosto. “Precisamos de novas reflexões para resolver velhos problemas.”

Embora a visão regional do Irã inclua ameaças a águas internacionais e violações a acordos nucleares, o Processo de Varsóvia oferece uma ação positiva com vistas a abordar os inúmeros desafios que os povos do Oriente Médio enfrentam. A ameaça do Irã é um, disse Pompeo, mas, segundo ele, “nenhum país será tema dessas discussões”.

Os grupos de trabalho do Processo de Varsóvia vão começar a se reunir em outubro a fim de abordar prioridades estratégicas compartilhadas. Os países vão receber os seguintes grupos:

  • A República da Coreia vai receber o Grupo de Trabalho sobre Segurança Cibernética de 7 a 8 de outubro.
  • Os Estados Unidos vão receber o Grupo de Trabalho sobre Direitos Humanos de 10 a 11 de outubro.
  • O Reino do Bahrein vai receber o Grupo de Trabalho sobre Segurança Marítima e Aeronáutica de 21 a 22 de outubro.
  • A República da Polônia vai receber o Grupo de Trabalho sobre Segurança Energética de 24 a 25 de outubro.
  • A Romênia vai receber o Grupo de Trabalho sobre Proliferação de Mísseis de 14 a 15 de novembro.

“Todas as nações serão ouvidas”, disse Pompeo, “e todas as vozes serão respeitadas.”

As datas e os países-anfitriões para os últimos dois grupos de trabalho — sobre questões humanitárias e refugiados — serão anunciados em breve.