Os EUA, como outras nações, têm embaixadas e consulados nos países com os quais mantêm relações diplomáticas formais.

As Embaixadas dos EUA estão localizadas na capital ou perto da capital do país anfitrião e geralmente são chefiadas por um embaixador ou uma embaixadora. As Embaixadas ajudam os cidadãos americanos no exterior, fornecem vistos para visitar os Estados Unidos e promovem laços comerciais e culturais.

Em países de maiores dimensões, os Consulados americanos servem como extensões da Embaixada para regiões fora da capital. Eles prestam os mesmos serviços oferecidos pela Embaixada e seguem a orientação do embaixador ou da embaixadora.

Tanto Embaixadas como Consulados constituem o território soberano da nação que representam.

Em 24 de julho, o governo chinês ordenou o fechamento do Consulado dos EUA em Chengdu, China.

“Estamos decepcionados com a decisão do Partido Comunista Chinês”, informou o Departamento de Estado* em comunicado à Associated Press. “Vamos nos esforçar para continuar nosso diálogo com as pessoas nesta importante região por meio de nossos outros postos na China”.

“Estamos decepcionados com a decisão do Partido Comunista Chinês”, informou o Departamento de Estado* em comunicado à Associated Press. “Vamos nos esforçar para continuar nosso diálogo com as pessoas nesta importante região por meio de nossos outros postos na China”.

O Consulado dos EUA em Chengdu

O Consulado em Chengdu era um dos cinco Consulados dos EUA na República Popular da China. Prestava serviços no sudoeste da China, região que abrange Chongqing, Guizhou, Yunnan, Sichuan e Tibete.

Inaugurado em 1985, o Consulado dos EUA em Chengdu “construiu relações em todos os aspectos da sociedade chinesa que nos ajudaram a entender melhor uns aos outros”, disse seu cônsul-geral, Jim Mullinax.

O Consulado prestou serviços a mais de 200 milhões de pessoas. Ele processava até 150 mil solicitações de visto todos os anos para chineses que queriam visitar ou estudar nos Estados Unidos. E organizou eventos culturais e esportivos, incluindo um fórum para explorar a história compartilhada entre EUA e China, e levou membros da seleção de futebol dos EUA até a China a fim de ensinar futebol e apoiar o empoderamento de mulheres.

O Consulado em Chengdu interagiu com a comunidade tibetana visando preservar aspectos distintos como a cultura, o idioma e a religião do Tibete.

Em 21 de julho, os Estados Unidos ordenaram o fechamento do Consulado da China em Houston, que o secretário de Estado, Michael R. Pompeo, descreveu como “um centro de espionagem e roubo de propriedade intelectual“.

De acordo com o The Global Times, um meio de comunicação do Partido Comunista Chinês, o PCC fechou o Consulado em Chengdu em represália à ação dos EUA.

“Foi uma honra me concentrar na construção de relações e na prestação de serviços” ao povo do sudoeste da China, disse Mullinax**. “Sentiremos falta do povo do sudoeste da China e das amizades que fizemos.”

* site em inglês
** página do Twitter em chinês