O regime do Irã é uma ameaça ao sistema financeiro internacional, diz grupo

Após o regime iraniano se recusar a implementar restrições contra o financiamento do terrorismo, o Irã precisa essencialmente ser colocado na lista negra dos países que participam do sistema financeiro internacional, disse um grupo internacional de vigilância em 21 de fevereiro.

A Força-Tarefa de Ação Financeira (FATF), sediada em Paris, havia concedido ao regime do Irã um prazo até fevereiro para aprovar restrições contra a lavagem de dinheiro e o financiamento do terrorismo. Mas o regime se recusou a adotar as medidas adequadas, e a FATF está fazendo um alerta contra a concessão de investimento.

“A FATF continuará preocupada com o risco de financiamento do terrorismo que emana do Irã e com a ameaça que isso representa para o sistema financeiro internacional”, disse a organização composta por 37 membros, em comunicado divulgado em 21 de fevereiro.

A FATF ressaltou que o regime do Irã se comprometeu a implementar reformas em junho de 2016, mas se recusou a adotar padrões internacionais. A Coreia do Norte é o único outro país que a FATF considera “de alto risco”, essencialmente fazendo parte da lista negra do sistema financeiro internacional.

Os Estados Unidos elogiaram a ação da FATF. “O regime precisa aderir aos padrões básicos com os quais praticamente todos os outros países do mundo concordam”, disse o secretário de Estado, Michael R. Pompeo, em um comunicado de 21 de fevereiro.

“O Irã deve cessar seu comportamento imprudente e agir como uma nação normal se quiser que seu isolamento termine”, observou ele.

Tuíte:
Parabenizo a Força-Tarefa de Ação Financeira por exortar os membros a reimpor as contramedidas necessárias para proteger o mundo das ameaças de financiamento terrorista emanadas do Irã. O Irã deve se comportar como uma nação normal ou continuará a pagar um preço por financiar o terrorismo. @SecPompeo #Iran

Os Estados Unidos estão usando sanções econômicas para negar ao regime do Irã a receita que este utilizaria para financiar grupos terroristas designados pelos EUA, como o Hezbollah e o Hamas, e a própria Guarda Revolucionária Islâmica (IRGC).

O presidente iraniano, Hassan Rouhani, até reconheceu que o fracasso do regime em conter a lavagem de dinheiro impede investimentos e exigiu o cumprimento das regras da FATF.

Mas o pedido de Rouhani em favor do cumprimento dos padrões internacionais de financiamento antiterrorista esconde o fato de ele fazer parte do problema. No ano passado, Rouhani retirou bilhões do Fundo Nacional de Desenvolvimento do Irã para apoiar a IRGC, que é parte integrante do regime.