A Operação Apertar o Cerco (ou Operation Crash, termo este que significa manada de rinocerontes em inglês) está enviando traficantes de animais selvagens para a prisão e apreendendo milhões de dólares em dinheiro, barras de ouro, chifres de rinoceronte, veículos de luxo e joias.

A operação é um esforço nacional contínuo dos EUA (PDF em inglês) para detectar, deter e processar as pessoas envolvidas no abate ilegal de rinocerontes e no tráfico ilegal de chifres de rinoceronte.

Rinocerontes adultos não têm predadores naturais conhecidos. Todas as espécies de rinoceronte são protegidos pelas legislações americana e internacional. Desde 1976, o comércio de chifres de rinoceronte foi regulamentado no âmbito da Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies da Flora e Fauna Selvagens em Perigo de Extinção (Cites), tratado assinado por mais de 170 países para proteger os peixes, animais e plantas que estão ou podem ficar em perigo devido às exigências dos mercados internacionais.

Estes chifres de rinoceronte contrabandeados foram apreendidos por agentes da lei dos EUA (USFWS)

No entanto, a demanda por chifres de rinoceronte e os preços do mercado negro dispararam nos últimos anos devido ao valor que algumas culturas colocam em esculturas ornamentais, amuletos da sorte ou supostos usos medicinais, apesar de o chifre de rinoceronte não ter eficácia médica comprovada. Essa demanda levou a um declínio dramático da população mundial de rinocerontes.

As populações de rinocerontes selvagens sofreram uma queda de mais de 90% desde 1970. A África do Sul, por exemplo, testemunhou uma rápida escalada na caça ilegal de animais vivos, passando de 13 em 2007 para um recorde de 1.004 em 2013.

Conservacionistas estimam que a cada dia três rinocerontes selvagens são mortos por causa de seus chifres. O comércio ilegal de chifres de rinoceronte é cerca de 30 vezes maior do que no ano 2000.

Não seja parte do problema. Não compre produtos derivados de espécies em perigo de extinção. É uma das muitas maneiras que você pode ajudar a salvar a vida selvagem.