Update: A vitória do presidente eleito Donald Trump em Wisconsin foi confirmada novamente em 12 de dezembro, depois de uma recontagem estadual mostrar que ele estava à frente de sua adversária mais próxima, a democrata Hillary Clinton, por aproximadamente 23 mil votos.

A maioria das eleições nos EUA termina com uma decisão clara. O vencedor toma posse, tipicamente algumas semanas após a eleição, e os perdedores têm a liberdade de começar a planejar para a próxima campanha.

Mas, às vezes, uma eleição não termina até que os votos sejam contados uma segunda vez. Isso pode acontecer automaticamente, se a primeira contagem estiver realmente apertada, ou a pedido de um candidato. Como cada estado tem suas próprias leis eleitorais, as regras diferem de estado para estado.

Quarenta e três estados e o Distrito de Colúmbia permitem que um candidato perdedor peticione* uma recontagem. Em 17 estados, um eleitor pode solicitar uma recontagem também.

Quem paga?

A recontagem não é de graça. Em muitos estados, quem paga depende de quão apertada foi a soma original dos votos. Vinte estados acionam automaticamente uma nova apuração a ser paga pelos contribuintes se a margem de vitória do candidato sobre o outro que solicita a nova apuração for pequena — geralmente entre 0,5% e 1% dos votos depositados nas urnas.

Se o resultado original da apuração não for tão apertado, o candidato ou eleitor que pedir a recontagem deve assumir o custo.

Saiu nos jornais

Em um exemplo recente, a candidata presidencial Jill Stein, que recebeu 1,1% dos votos em Wisconsin, pediu uma recontagem. A margem entre Donald Trump (47,9% dos votos) e Jill Stein foi maior do que o limite de 0,25% do estado, então a campanha da candidata tem de pagar o custo estimado de US$ 3,5 milhões pela recontagem.

“Contanto que a petição for válida (…) a comissão deve emitir uma ordem de recontagem”, disse Michael Haas, administrador interino da Comissão Eleitoral de Wisconsin, ao Wall Street Journal.

Como funciona

Quando a recontagem é solicitada por um candidato ou um eleitor, a petição deve alegar erro ou fraude na contagem original. Nas jurisdições onde as máquinas de votação foram usadas, os funcionários inspecionam cada máquina para detectar sinais de adulteração ou mau funcionamento. Quando as cédulas de papel foram empregadas, os oficiais eleitorais examinam as cédulas reais; onde os eleitores registraram suas escolhas em um computador, o registro é o recibo impresso de cada voto.

Um resultado diferente?

Será que uma recontagem muda os resultados das eleições? Normalmente não. A fraude eleitoral é muito rara nos Estados Unidos. O erro humano, no entanto, é um pouco menos raro.

Até agora, nenhuma recontagem mudou o resultado de uma eleição presidencial nos EUA. Mas as recontagens fizeram a diferença em algumas eleições nas disputas pelo Senado e para governador. Em 2008, o senador Norm Coleman, de Minnesota, candidato à reeleição, abriu uma vantagem de 206 votos sobre o adversário Al Franken. Após uma recontagem de vários meses, Franken foi nomeado vencedor por 312 votos.

A redatora freelance Leigh Hartman contribuiu com este artigo