A parceria do Diálogo Quadrilateral sobre Segurança (Quad) entre Estados Unidos, Índia, Austrália e Japão tem o compromisso de defender a democracia e promover prosperidade na região do Indo-Pacífico.

Os parceiros do Quad enfrentam desafios juntos, desde a pandemia da Covid-19 e as mudanças climáticas até a segurança marítima e o apoio ao Estado de Direito na região do Indo-Pacífico.

O presidente Biden participou da reunião dos primeiros líderes do Quad em 12 de março, juntamente com seus homólogos: o primeiro-ministro japonês, Yoshihide Suga; o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi; e o primeiro-ministro australiano, Scott Morrison.

“O presidente Biden fez deste um de seus primeiros compromissos multilaterais”, disse Jen Psaki, secretária de Imprensa da Casa Branca, acrescentando que isso demonstra “a importância que colocamos na estreita colaboração com nossos aliados e parceiros no Indo-Pacífico”.

O Quad surgiu dos esforços humanitários das quatro democracias em resposta ao terremoto e ao tsunami de 2004 que ocorreram no Oceano Índico.

Nos últimos anos, altos funcionários das nações parceiras têm falado sobre questões como segurança marítima, preocupações cibernéticas, contraterrorismo, combate à desinformação, assistência ao desenvolvimento e ajuda humanitária em desastres.

Em uma Reunião Ministerial do Quadrilátero com ministros das Relações Exteriores em fevereiro, o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, discutiu “a necessidade urgente de restaurar o governo democraticamente eleito na Birmânia” (atual Mianmar), disse o Departamento de Estado.

Grupo de manifestantes com capacetes de construção em uma rua, dois deles segurando placas com a palavra "Pessoas" impressa nelas (© AP Images)
Líderes do Quad pedem a restauração do governo democraticamente eleito na Birmânia (atual Mianmar), onde manifestantes protestam contra o golpe de 1º de fevereiro (© AP Images)

“Nossas quatro nações acreditam em valores fundamentais comuns como democracia, Estado de Direito e economia livre”, disse Toshimitsu Motegi, ministro das Relações Exteriores do Japão, em outubro. “Acreditamos em ter uma responsabilidade regional, [e] compartilhar o objetivo de fortalecer uma ordem internacional livre e aberta baseada em regras.”