Por que Iowa? Compreenda o sistema eleitoral dos EUA.

Os estados de Iowa e New Hampshire representam uma pequena parte do eleitorado americano, mas os candidatos aos dois principais partidos políticos dos EUA que querem ser presidente passam meses pisando na neve para ganhar o apoio dos eleitores desses estados.

Isso porque os eleitores de Iowa e New Hampshire dão os primeiros passos na busca de candidatos representantes dos dois principais partidos – um republicano e um democrata que aparecerão na cédula eleitoral de 3 de novembro. (Candidatos independentes e candidatos de outros partidos políticos passam por um conjunto diferente de desafios para conseguirem ser incluídos na cédula eleitoral.)

Os candidatos que visitam Iowa participam de feiras estaduais para dar um aperto de mão, frequentar lanchonetes e geralmente passam mais tempo ouvindo diretamente os eleitores do que em qualquer outro momento do ciclo eleitoral. Os defensores do sistema dizem que esse tipo de política de varejo ajuda a manter os candidatos sintonizados com o que o país realmente deseja.

Antes de os partidos nomearem candidatos…

Cada partido terá uma convenção de indicação neste terceiro trimestre para nomear oficialmente seu candidato. Essas convenções têm delegados que serão selecionados pelos 50 estados e cinco territórios dos EUA, com os estados mais populosos chegando a enviar mais delegados.

Alguns estados (por exemplo, Iowa) escolhem esses delegados — ou eleitores da convenção — por meio de um sistema de prévias (convenções partidárias ou caucuses). Outros (por exemplo, New Hampshire) usam um voto primário.

O que é uma prévia?

Uma prévia é uma reunião local de eleitores de um determinado partido, geralmente em uma biblioteca, escola ou sala de estar de um vizinho. Os cidadãos argumentam a favor de seus candidatos favoritos. À medida que a reunião avança, alguns candidatos menos populares são eliminados. Seus apoiadores são recrutados por pessoas que fazem pressão por outros candidatos. É o modo como muitos delegados presidenciais costumavam ser escolhidos, embora o número de estados que usam o sistema tenha diminuído.

Pessoas sentadas em cadeiras e em pé discutindo (© Dave Weaver/AP Images)
Os eleitores se reúnem em uma prévia em fevereiro de 2016 em Iowa (© Dave Weaver/AP Images)

O que é uma primária?

Muitos estados agora mantêm uma primária — onde uma votação secreta é realizada pelo estado. Nesses casos, cada estado define suas regras sobre quem pode votar nas primárias. (Em alguns estados, a primária é administrada pelo partido.) As primárias abertas permitem que qualquer eleitor registrado vote, mesmo os de outro partido. Primárias fechadas significam que apenas os eleitores registrados para um partido em particular podem votar nos candidatos desse partido. Alguns estados permitem que os membros de um determinado partido e eleitores não afiliados (independentes) votem na primária de um partido.

Donald P. Green, professor de Ciência Política da Universidade de Colúmbia, diz que prévias e primárias tendem a atrair republicanos mais conservadores do que a média e democratas mais liberais que a média. “Uma das preocupações sobre um sistema primário é que os eleitores tendem a ser ativistas e mais comprometidos ideologicamente”, afirmou Green.

Quem vai a convenções de indicação?

Depois que os eleitores principais votam, os resultados são usados ​​para escolher os delegados. Nas primárias democratas, o processo é proporcional. Portanto, para um estado com 10 delegados serem enviados à convenção, um candidato que ganhasse 40% dos votos primários obteria quatro delegados e assim por diante. Os republicanos fazem isso em alguns estados, mas em outros estados escolhem outros lotes, como “vencedor leva tudo”, onde o principal candidato republicano recebe todos os delegados.

Se estados menores têm menos delegados votando na convenção nacional do respectivo partido principal, por que os candidatos passam tanto tempo em Iowa e New Hampshire — se desviando de alces e nevascas? (Um candidato, o senador Chris Dodd, até mudou sua família para Des Moines, Iowa, e registrou sua filha para frequentar o jardim de infância antes das eleições de 2008).

Iowa é o primeiro estado. New Hampshire, o seguinte.

Mãos de um homem contando pedaços de papel em uma mesa (© Patrick Semansky/AP Images)
Um presidente de uma seção eleitoral conta votos durante uma prévia em Iowa em fevereiro de 2016 (© Patrick Semansky/AP Images)

A importância desses estados tem a ver com o fato de serem os primeiros a participarem das prévias ou das primárias em um longo processo de escolha de um presidente. As prévias de Iowa acontecem em 3 de fevereiro. O segundo estado a decidir é New Hampshire, com suas primárias em 11 de fevereiro. Os vencedores recebem atenção da mídia, apoio de doadores financeiros e a reputação de líder que pode influenciar os eleitores em outros lugares.

Os críticos dizem que não é certo que esses dois estados tenham tanta influência a cada quatro anos. Eles argumentam que nenhum dos dois é típico e, portanto, não são uma representação justa dos eleitores. Eles são menos étnicos e raciais do que os EUA em geral, e a idade média de New Hampshire é mais velha que a do país como um todo.

Mas muitos eleitores de Iowa e New Hampshire levam a sério o cargo. Eles seguem a campanha de perto e aparecem em eventos para que vários candidatos possam ouvir as ideias que eles defendem.

Décadas atrás, as convenções de indicação eram assuntos cheios de suspense, onde os acordos nos bastidores geralmente ajudavam a decidir quem venceria a indicação do partido. Com tantos estados realizando primárias ou prévias no início, o aparente candidato indicado geralmente fica claro muito antes.