Primeira-dama dá ênfase a crianças, vida selvagem e antiguidades africanas

A primeira-dama dos EUA, Melania Trump, concluiu sua viagem pela África expressando ter orgulho dos esforços financiados pelos EUA para aliviar a pobreza e em de próprias iniciativas que visam melhorar a vida das crianças.

Foi uma “viagem incrível”, disse a primeira-dama a repórteres no dia 6 de outubro, quando a visita beneficente de quatro nações e sua primeira grande viagem internacional solo chegaram ao fim.

Ao visitar Gana, Malawi, Quênia e Egito, ela conheceu um hospital, um orfanato, escolas e uma reserva natural de vida selvagem. Ela atravessou um portão do que foi um infame forte de tráfico de escravos com vista para o Atlântico e esteve diante das Grandes Pirâmides do Egito.

O mais importante, disse ela aos jornalistas viajantes, foi a atenção que a viagem atraiu para “o que estamos fazendo com a Usaid [Agência dos EUA para o Desenvolvimento Internacional] e o que faço com as minhas iniciativas” para promover a saúde e o bem-estar das crianças. Ela levou presentes para crianças impressos com o nome de seu programa “Be Best” (Ser Melhor, em tradução livre).

Quando lhe perguntaram o que levaria de recordação ao retornar de sua visita, ela respondeu que foi a recepção calorosa de pessoas em todos os lugares.

Melania Trump cumprimenta líder africano (Andrea Hanks/Casa Branca)
(Andrea Hanks/Casa Branca)

Em uma cerimônia animada no Palácio Emintsimadze na Costa do Cabo, Gana, Melania apertou a mão do chefe Supremo Osabarimba Kwesi Atta II em 3 de outubro e recebeu sua permissão formal para visitar o Castelo Costa do Cabo, onde milhares de africanos escravizados foram levados e embarcados como carga para as Américas. “O que aconteceu há tantos anos foi realmente uma tragédia”, disse ela depois.

Melania Trump (extrema direita) sentada com duas crianças africanas em idade escolar e mulher na frente de uma sala de aula (Andrea Hanks/Casa Branca)
(Andrea Hanks/Casa Branca)

No dia 4 de outubro, no Malawi, Melania observou aulas na aglomerada escola de ensino fundamental Chipala, onde as crianças aprendem inglês e idiomas locais. Dois alunos se sentaram entre a professora Maureen Masi e a primeira-dama. Melania também anunciou a doação de 1,4 milhão de livros para as 5.600 escolas primárias do Malawi através de um programa de leitura financiado pelos EUA.

Melania Trump sentada em um caminhão de safári enquanto zebras pastam em volta dela (Andrea Hanks/Casa Branca)
(Andrea Hanks/Casa Branca)

A visita de Melania no dia 5 de outubro ao Quênia teve como ênfase a conservação animal. Ela alimentou filhotes de elefantes e foi acompanhada em um safári dentro do Parque Nacional de Nairóbi pelo guarda florestal Nelly Palmeris, que discutiu as medidas tomadas pelo Quênia para impedir a caça clandestina e o comércio ilícito de marfim.