Prova de vida — a diáspora uigur exige respostas

Desde abril de 2017, autoridades chinesas detiveram mais de um milhão de membros de grupos minoritários muçulmanos e os colocaram em campos de internamento. Usando a hashtag #MeTooUyghur (Também sou uigur, em tradução livre), familiares e amigos recorreram às mídias sociais exigindo vídeos de seus entes queridos como prova de vida.

Os Estados Unidos pedem que a China liberte todas as pessoas detidas arbitrariamente e ponha fim à repressão contra as minorias religiosas. O governo chinês também deve acabar com as políticas que confundam terrorismo ou extremismo com formas pacíficas de expressão religiosa ou política.