Ellen Ochoa nasceu no mesmo ano em que a Nasa foi criada: 1958. Ela tinha 11 anos quando os astronautas pousaram na Lua. No entanto, a ideia de que ela própria se tornasse uma astronauta parecia menos possível até mesmo do que se tornar presidente da República. “Posso dizer a vocês que, naquela época, ninguém nunca perguntou a uma menina: ‘Isso é algo que você quer ser quando crescer?’” afirmou Ellen Ochoa ao site do museu Newseum.

Isso começou a parecer possível em 1978, quando seis mulheres foram selecionadas para serem astronautas. Embora os engenheiros, em sua maioria homens, desenhassem, em tom de humor, um kit de maquiagem para as novas companheiras de trabalho, “nós não queríamos nos tornar ‘as mulheres astronautas’, diferentes e separadas dos homens”, afirma Kathryn Sullivan, uma das seis pioneiras.

Com o caminho para o espaço agora aberto às mulheres, Ellen Ochoa, que se formou em Física, entrou para o corpo de astronautas. Em 1993, ela se tornou a primeira mulher hispânica a ser enviada ao espaço. Ela completou seis voos, registrando cerca de mil horas. E estudou a atmosfera da Terra, capturou um satélite usado para estudar o Sol e operou um braço robótico para movimentar a tripulação em caminhadas espaciais na Estação Espacial Internacional.

Um grupo diverso de mulheres se juntou a ela: cientistas, especialistas de missão, pilotos e comandantes. A médica Mae Jemison se tornou a primeira astronauta negra em 1992. A médica Chiaki Mukai foi a primeira mulher japonesa no espaço em 1994. A engenheira e empreendedora iraniana-americana Anousheh Ansari pagou para viajar até a Estação Espacial Internacional em 2006 — a primeira turista do sexo feminino e a primeira astronauta de origem iraniana.

Saiba mais sobre a adolescente de 13 anos de idade que está tentando andar pela primeira vez em Marte. Ninguém — nem seu pai, nem a imprensa e nem mesmo os funcionários da Nasa — está questionando o seu sonho.

Você ou alguém que você conheça está interessado em seguir uma carreira em Ciência, Tecnologia, Engenharia ou Matemática? Saiba mais sobre as TechGirls, programa de intercâmbio para jovens advindas do Oriente Médio e do Norte da África, que enfatiza habilidades práticas em áreas como web design, robótica e desenvolvimento gráfico para vídeo. O programa Girls Who Code (Meninas que codificam, em tradução livre) capacita meninas com as habilidades e os recursos necessários a buscar oportunidades atuais nos campos da Computação.

O programa Launch, lançado pela Nasa, pela USAID, pelo Departamento de Estado e pela Nike, apoia abordagens inovadoras aos desafios da sustentabilidade.