Sorveterias, uma no Texas e outra em Belize

Hernan Urbina e mulher em pé perto de caixa registradora (Cortesia: Sorveteria Ice Break)
Hernan Urbina atende um cliente na sorveteria de sua família, Ice Break (Cortesia: Sorveteria Ice Break)

Quando Hernan Urbina tinha cinco anos de idade e sua mãe lhe deu um saco de balas, ele viu logo uma oportunidade.

Hernan vendeu as balas para seus colegas de escola, imitando o que o pai fazia quando criança. O pai, também Hernan Urbina, cresceu vendendo picolés em cidadezinhas em Belize, a pequena nação caribenha que faz fronteira com o México e a Guatemala. Seu meio de transporte era um triciclo.

“Desde muito jovem, sempre vendia algo”, disse o jovem Urbina. Sua mãe lhe diz que sempre soube que ele iria se tornar um homem de negócios.

Agora, o jovem de 29 anos que concluiu o programa Iniciativa Jovens Líderes das Américas (Ylai), administra a sorveteria da família em Orange Walk, Belize. A sorveteria, chamada “Ice Break”, de dez anos para cá prosperou e agora possui dez funcionários. Seu sucesso pode ser parcialmente atribuído à habilidade que o filho tem para vendas e à variedade de sabores de sorvete — desde pitaia até Cheeto picante.

Mas Urbina também afirma que sua experiência na Ylai o ajudou a expandir sua empresa. A iniciativa americana oferece a empresários da América Latina a oportunidade de viajar aos EUA a fim de receber capacitação de empresas americanas.

Por sua vez, Urbina fez estágio na sorveteria Amy’s Ice Creams em Austin, Texas. O público-alvo da Amy’s combina bem com a visão que Urbina tem para a Ice Break de ser um local de reunião para famílias de Orange Walk (população 13 mil habitantes). Os esforços dessa rede do Texas para manter os funcionários atualizados em relação a operações empresariais ensinou a Urbina que é importante ajudar seus funcionários sentirem que fazem parte do sucesso da empresa.

“O que eu gostei da Amy’s foi o jeito que lidavam com os funcionários”, disse Urbina. Informar aos trabalhadores a respeito dos rendimentos da empresa os ajuda a “se sentirem satisfeitos ao saber que cumpriram sua parte”.

O diretor de marketing da Amy’s Ice Creams, Aaron Clay, diz que a capacitação de funcionários em Empreendedorismo beneficiou tanto a Amy quanto a comunidade. Quando os ex-“scoops” (conchas, em tradução livre) — nome que Amy atribuiu a seus atendentes — são bem-sucedidos em outras empresas, isso reflete bem nos negócios. E a ênfase que a loja dá à educação leva muitos funcionários a permanecer na empresa por mais tempo, reduzindo a alta rotatividade comum ao setor de serviços de alimentação.

“É um cenário de risco-recompensa”, diz Clay. “O risco de perder alguém cedo ao investir nele/a é compensado por todo o benefício que se recebe das pessoas que permanecem [na empresa].”

Urbina concorda. Quando os funcionários da Ice Break demonstram interesse em fazer sobremesas como doces e bolos, por exemplo, Urbina os matricula em um curso e começa a vendê-las. Um desses funcionários passou a administrar seu próprio negócio em casa e outro passou a trabalhar em uma padaria. Mas o crescimento deles tem sido motivador para todos.

Urbina também atribui à sua experiência no Texas o aprimoramento de suas habilidades em mídias sociais e marketing. Desde 2016, a Ice Break se expandiu passando a vender sorvetes também para restaurantes. E essa empresa de família poderá abrir uma segunda unidade ou até mesmo, possivelmente, um restaurante.

Segundo Clay, graças à família Urbina, a Amy’s adquiriu uma perspectiva de fora, transformadora. E diz que as duas empresas continuam compartilhando ideias por e-mail muito depois de Urbina concluir sua visita facilitada pela Iniciativa Jovens Líderes das Américas.

“Sou muito grato pelo programa”, diz Urbina. “Isso me fez abrir os horizontes e me ajudou a ser mais expansivo e contatar as pessoas em Belize.”

Fileira de pessoas posando para a foto com bandeira de Belize ao fundo (Cortesia: Sorveteria Ice Break)
Hernan Urbina, à direita, comemora a independência de Belize com os funcionários da Ice Break. A família de Urbina abriu a sorveteria em 2009 e dobrou o número de funcionários (Cortesia: Sorveteria Ice Break)