Um revival moderno para reservatórios antigos da Cisjordânia

Durante 2 mil anos, a água fluía de três reservatórios enormes ao sul de Belém até o centro de Jerusalém. Hoje, essas Piscinas de Salomão, ruínas de uma maravilha da engenharia, estão dormentes. Mas um projeto dos EUA espera revitalizar as piscinas e transformá-las em um local turístico da Cisjordânia.

“O projeto é mais do que apenas proteger a história”, disse o cônsul-geral dos EUA, Donald Blome, em um evento de outubro para lançar o projeto de conservação. “Trata-se de proteger a vida e os meios de subsistência das pessoas que vivem aqui hoje.”

Atualmente, apenas uma das piscinas está cheia. Uma doação de US$ 750 mil do Departamento de Estado dos EUA e do Consulado Americano faria o antigo sistema de água reviver sua antiga glória. Os fundos são designados para fazer reparos de emergência, proteger os canais entre as piscinas e criar caminhos seguros para os visitantes.

A história flui profundamente nas Piscinas de Salomão. Embora o nome se refira ao rei bíblico Salomão, a primeira piscina provavelmente foi construída no século 1o ou 2o a.E.C., durante o período do Segundo Templo de Jerusalém. No século 17, um forte otomano no reservatório protegia o abastecimento de água da cidade. Era também uma parada na rota do Hajj (peregrinação anual) para Meca, na Arábia Saudita. A maior parte do financiamento para o projeto de conservação vem do Fundo de Preservação Cultural do embaixador.

“Compartilhamos a esperança de que este local possa ser uma fonte de orgulho, esperança e descoberta para pessoas de todas as culturas, religiões e origens. Lugares desse tipo de antiguidade devem mexer e inspirar todos nós a nos reunir e celebrar a beleza deles”, disse Blome.

Revival das piscinas

Dois homens observam as Piscinas de Salomão em Belém (Musa al Shaer/AFP via Getty Images)
Donald Blome (à esquerda), cônsul-geral do Consulado dos EUA em Jerusalém, inicia um projeto de preservação para as Piscinas de Salomão (Musa al Shaer/AFP via Getty Images)

Restaurar as piscinas poderia ajudar as comunidades palestinas a florescerem. O empoderamento econômico dos palestinos é um pilar do apoio dos EUA às negociações de paz entre Israel e a Autoridade Palestina.

A água sempre foi uma parte da história humana para os moradores das colinas áridas em torno de Jerusalém. As Piscinas de Salomão são um monumento, uma homenagem a essa história. “É nosso dever protegê-lo e restaurá-lo”, disse George Bassous, gerente-geral das Piscinas de Salomão.