Mulher parada em salão com vários monitores grandes (© Brendan McDermid/Reuters)
Stacey Cunningham é a presidente da Bolsa de Valores de Nova York (© Brendan McDermid/Reuters)

A Bolsa de Valores de Nova York (NYSE), a maior do mundo, exerce um papel importante no sistema financeiro dos EUA, mas também reflete e influencia tendências globais.

A Bolsa, na qual os títulos são comprados e vendidos, foi lançada em maio de 1792, quando 24 dos maiores corretores de ações de Nova York — todos homens — se reuniram sob uma árvore em Manhattan para criar a primeira Bolsa de Valores da cidade.

Hoje, uma mulher lidera a Bolsa. Stacey Cunningham começou sua carreira em Wall Street em 1994, como estagiária no pregão da Bolsa de Valores de Nova York. Ela foi promovida até se tornar Diretora de Operações, e agora é a 67ª presidente.

“Stacey representa uma nova geração de liderança para o Grupo da Bolsa de Valores de Nova York”, disse Jeff Sprecher, presidente da Bolsa de Nova York. “Stacey e nossa equipe estão firmemente comprometidos em garantir que os EUA continuem sendo o centro dos mercados de capitais do mundo.

Mapa-múndi mostra locais de grandes Bolsas de Valores (Depto. de Estado/S. Gemeny Wilkinson)
(Depto. de Estado/S. Gemeny Wilkinson)

Com cerca de 2.300 empresas listadas, a Bolsa de Valores de Nova York em 2017 valia mais de US$ 22 trilhões, mais do que a maioria de todas as Bolsas de Valores do mundo. Esse número é baseado no valor de mercado total de ações negociadas na Bolsa, conhecido como capitalização de mercado.

Estima-se que 54% dos americanos em 2017 afirmaram que investiram no mercado, seja através de ações individuais, fundos de investimento, pensões ou planos de aposentadoria, de acordo com uma pesquisa do instituto Gallup

Incomparável

Edifícios altos em área urbana (© Detroit Publishing Company/Biblioteca do Congresso)
A Bolsa de Valores de Nova York entre 1900 e 1905 (© Detroit Publishing Company/Biblioteca do Congresso)

Quando Bolsa de Valores de Nova York foi fundada, uma comunidade global de Bolsas de Valores já existia. A primeiríssima Bolsa de Valores foi fundada em Amsterdã em 1602, seguida das Bolsas de Londres, Inglaterra, e de Frankfurt, Alemanha.

A Bolsa de Valores de Nova York foi originalmente baseada na Bolsa de Valores holandesa, declarou Peter Asch, arquivista da NYSE. Enquanto a Bolsa de Valores de Amsterdã começou a negociar ações da Companhia das Índias Orientais, os primeiros produtos da Bolsa de Valores de Nova York eram títulos emitidos pelo recém-formado governo dos EUA para pagar a dívida acumulada na Guerra da Independência dos Estados Unidos.

Embora a primeira Bolsa de Valores dos EUA tenha sido implantada na Filadélfia, a NYSE rapidamente se tornou a mais proeminente.

“Todas as cidades tinham bancos naquela época”, disse Asch, “mas Nova York rapidamente se transformou no maior centro bancário do país. Tornou-se um lugar onde, se você quisesse fazer um grande projeto e precisasse de financiamento, nós éramos o destino ideal”.

Hoje, a Bolsa de Valores de Nova York é a única grande Bolsa de Valores do mundo que ainda tem um pregão físico. “Isso é de fato o que nos torna diferentes, nosso modelo de mercado”, disse Asch. “A NYSE é uma comunidade das maiores empresas do mundo. Elas podem vir aqui a fim de oferecer suas ideias para o mercado.”

Desde o início, as atividades na Bolsa de Valores de Nova York têm representado as tendências do mercado, fornecendo uma janela para o que impulsiona a economia global. Nos primeiros anos, a NYSE estava focada em ferrovias e empresas operacionais. Durante a década de 1900, os fabricantes de automóveis entraram em cena, seguidos por aviões, computadores e hoje, empresas de tecnologia digital. Segundo Asch, a próxima grande inovação sempre pode ser encontrada nas listagens da Bolsa de Nova York.

Este artigo foi escrito pela redatora freelance Maeve Allsup.