Após a eleição presidencial do Quênia em 2007, a violência tomou conta das ruas. Para ajudar pôr fim a isso, alguns jornalistas com experiência em tecnologia criaram um site — e mais tarde, um aplicativo — que permitia que os cidadãos reportassem e mapeassem incidentes em tempo real por e-mail e mensagens de texto. Esse foi o início da plataforma Ushahidi, que significa “testemunho” em suaíli.

Desde então, o kit de ferramentas de fonte aberta, com base em nuvem da Ushahidi se expandiu. Grupos da sociedade civil e indivíduos ao redor do mundo têm usado Ushahidi para mapear desastres naturais, epidemias e distúrbios civis, e para promover uma ampla variedade de causas sociais, políticas e ambientais.

A plataforma de software gratuita do Ushahidi foi usada para criar um mapa conectando voluntários com pessoas que estavam em perigo, durante os incêndios que aconteceram na Rússia em 2010. E possibilitou uma configuração rápida do Mapa de Recuperação Christchurch depois de um terremoto em 2011 na Nova Zelândia. O mapeamento de crises através do uso de conhecimentos coletivos para criar soluções, ou crowdsourcing, durante o terremoto de 2010 no Haiti e o terremoto e tsunami de 2011 no Japão contou com as ferramentas da Ushahidi, da mesma maneira que o mapa do conflito na Síria (site em inglês) que ajudou as agências de assistência a prestar ajuda vital àqueles afetados pela guerra civil e pela brutalidade do EIIL.

O site original da Ushahidi se transformou em uma plataforma de software gratuita e de fonte aberta que agiliza a coleta de informações. Dados obtidos através de mensagens de texto, e-mail, Facebook, Twitter, YouTube e Flickr são usados para traçar mapas interativos. Ushahidi não aceita financiamento governamental; depende de subvenções filantrópicas e rendimentos de clientes de software personalizado.

A organização sem fins lucrativos do Quênia desenvolveu outras ferramentas além da plataforma Ushahidi:

  • Crowdmap, que facilita a elaboração colaborativa de mapas, com sua localização geográfica e em tempo real.
  • CrisisNET ajuda a identificar e consolidar as mais importantes informações que foram coletadas através de crowdsourcing durante períodos de crise.
  • Ping, “ferramenta de check-in para emergências”, é um sistema de e-mail e de alerta e resposta de mensagens de texto que ajuda a determinar se as pessoas estão seguras.
  • Watertracker foi desenvolvido para monitorar o funcionamento de poços em partes do Afeganistão usando a plataforma Ushahidi.
  • SwiftRiver filtra rapidamente grandes quantidades de informações em tempo real de cidadãos, analisando-as e rastreando tendências. (Ushahidi não mais apoia SwiftRiver, mas o código é de fonte aberta e disponível ao público através do GitHub (site em inglês), a fim de que outros possam continuar o seu desenvolvimento.)
O roteador versátil BRCK, que funciona através de wi-fi e é desenvolvido por Ushahidi para uso fora da rede (Cortesia: Ushahidi)

Em 2013, Ushahidi concebeu de forma pioneira o BRCK (site em inglês), roteador wi-fi que pode suportar até 20 dispositivos onde quer que haja conexão de internet. E contém as seguintes características: pode se tornar um modem 3G ou 4G com definições de dados, pode ser monitorado remotamente, pode enviar alertas de texto quando perde potência, além de ser programável.

Ushahidi inspira outros inovadores. O Centro de Inovação de Nairobi, ou iHub (site em inglês), é um subproduto da Ushahidi. Ele incuba novas ideias tecnológicas na África ao proporcionar um espaço laboratorial comunitário a empreendedores, designers, programadores e pesquisadores. Também atrai investidores a sistemas de tecnologia promissores. Ele já incubou 150 empresas startup desde 2014.

O seu bairro precisa comunicar uma questão de uma maneira mais rápida? Faça o download do software gratuito para desenvolver um mapa de informações interativo em tempo real e filtrar o fluxo de dados, ou confira outras inovações da plataforma Ushahidi (site em inglês).