As crianças quase sempre choram ao serem vacinadas, e muita gente tem medo de agulha. Isso é chato, mas a boa notícia é que a vacinação generalizada e rotineira salva entre 2 milhões a 3 milhões de vidas todos os anos.

A imunização é amplamente considerada um dos serviços de saúde com melhor custo benefício que o dinheiro pode comprar, o que deve ser comemorado durante a Semana Mundial de Vacinação, de 24 a 30 de abril.

Organizações de saúde nacionais e internacionais renovarão seu compromisso de “fechar a lacuna da imunização” alcançando os estimados 20% de crianças em todo o mudo que não recebem as proteções oferecidas pela vacinação de rotina. Doenças como difteria, tétano, pólio, sarampo, pneumonia e diarreia por rotavírus podem ser evitadas com a imunização, mas quase 22 milhões de crianças ficam desprotegidas todos os anos.

infográfico sobre a semana de vacinação

Por quê? Talvez os países não possam arcar com as vacinas. Talvez os profissionais de saúde não consigam vacinar todas as crianças de todos os povoados, deltas ou florestas. Talvez conflitos, desastres ou terroristas se coloquem no seu caminho.

Durante a Semana de Vacinação 2015, os países reafirmarão suas promessas para implementar o Plano de Ação Global de Vacinação*. Quase 200 governos nacionais** endossaram essa meta para alcançar acesso universal às vacinas até 2020, evitando assim milhões de mortes.

Interrupções na vacinação de rotina causaram um surto de sarampo na Somália. Também surgiram casos de pólio (© AP Images)

As metas do plano são:

  • Reforçar a imunização de rotina para aumentar a cobertura da população.
  • Agilizar as ações contra doenças evitáveis por vacina com a erradicação da pólio como a primeira etapa.
  • Introduzir vacinas novas e melhoradas.
  • Promover o desenvolvimento da próxima geração de vacinas e tecnologias.

Dois dos principais parceiros dos EUA nesse esforço global são os Centros de Controle e Prevenção de Doença** e a Fundação Bill e Melinda Gates***. Com uma doação de US$ 10 bilhões da fundação, estão trabalhando para melhorar o desenvolvimento, a distribuição e a inovação de vacinas nos países mais pobres do mundo. Iniciada em 2010, a Colaboração Década de Vacinas está trabalhando para em 2020 garantir “estender (…) todos os benefícios da imunização a todas as pessoas, independentemente de onde nasceram, quem sejam ou onde morem”.

*site em inglês, espanhol e outros quatro idiomas
**site em inglês
***site em inglês, espanhol e outros dois idiomas